Portal de Anuncio Sorocaba Classificados em Sorocaba



Portal de Anuncio Sorocaba Classificados em Sorocaba



Portal de Anuncio Sorocaba Classificados em Sorocaba



Portal de Anuncio Sorocaba Classificados em Sorocaba



Facebook






Notícias

RSS Feed - Mantenha-se Informado


15/08 - Perdas somaram 1,82% do faturamento de supermercados em 2017, diz Abras
Em números absolutos, as perdas representaram R$ 6,4 bilhões; maiores causas foram quebra operacional, furto externo e erro de inventário. As perdas dos supermercados brasileiros representaram 1,82% do faturamento do setor em 2017, uma queda de 0,28 ponto percentual frente a 2016, segundo levantamento divulgado nesta quarta-feira (15) pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Vendas dos supermercados sobem 1,25% em 2017, diz associação do setor Em números absolutos, as perdas somaram R$ 6,4 bilhões do faturamento bruto do setor no ano passado, ante R$ 7,11 bilhões na edição anterior da pesquisa. Produtos que mais sofreram perdas em quantidade foram energético, cerveja, corte bovino (exceto picanha), pilhas e baterias. Marcelo Rodrigues/EPTV O estudo feito pelo Departamento de Economia e Pesquisa da Abras, em parceria com a Fundação Instituto de Administração (FIA/Provar), contou com a participação de 218 redes. Dentre as principais causas de perdas em 2017 estão a quebra operacional (36%), furto externo (15%) e erro de inventário (15%), e furto interno (10%). De acordo com a pesquisa, os produtos que mais sofreram perdas em quantidade no ano passado foram energético, cerveja, corte bovino (exceto picanha), pilhas e baterias, chocolate em barra/tablete, queijo, sabonete, azeite e odorizador de ambiente. Desperdício Em 2017, o setor supermercadista perdeu R$ 3,927 bilhões nas seções de açougue, FLV (frutas, legumes e verduras), padaria e peixaria. O montante em 2016 chegou a R$ 3.981 bilhões, o que resultou em uma redução de R$ 54.2 milhões de um ano para o outro. Vendas em 2017 Em um ano marcado por inflação em baixa, as vendas nos supermercados voltaram a crescer em 2017, mas a alta veio em ritmo menor do que era projetado pelo setor, segundo dados divulgados em janeiro. No ano passado, houve alta de 1,25% nas vendas, contrariando a previsão de 1,5% feita em julho, posteriormente revisava para 1,3%.
Veja Mais

15/08 - Prefeitura de Cianorte publica editais de concursos públicos com 31 vagas; salários chegam e R$ 16,5 mil
Oportunidades são para cargos efetivos e empregos públicos em diversas áreas. Inscrições começam em 22 de agosto. Prefeitura de Cianorte publica editais para concursos com 31 vagas e cadastro de reserva Prefeitura de Cianorte/Divulgação A Prefeitura de Cianorte, no noroeste do Paraná, publicou nesta quarta-feira (15) dois editais de concursos com 31 vagas para cargos efetivos e empregos públicos, além da formação de cadastro de reserva. Clique aqui para acessar os dois editais. Os salários variam de R$ R$ 1.141,09 a R$ 16.537,93, e há oportunidades para todos os níveis de escolaridade. O maior salário é para o cargo de médico clínico geral, com carga horário de 40 horas semanais. As inscrições começam às 8h de 22 de agosto, vão até o dia 20 de setembro e devem ser feitas pela internet. As taxas variam de R$ 30 a R$ 100, dependendo do cargo, e o pagamento deve ser feito até 21 de setembro. A realização das provas está prevista para 21 de outubro, com horários e locais a serem confirmados no edital de ensalamento. Veja quais as vagas para os cargos efetivos: Advogado: 1 vaga; Assistente social: 1 vaga; Atendente de apoio da rede municipal de ensino: 3 vagas; Auxiliar de Serviços I e II: 2 vagas para cada cargo; Biólogo: 1 vaga; Coveiro: 1 vaga; Educador Infantil: 3 vagas; Fonoaudiólogo:1 vaga; Médico Clínico Geral 20 horas: 1 vaga; Médico Clínico Geral 40 horas: 1 vagas; Médico Ginecologista/ Obstetra: 1 vaga; Médico Pediatra: 1 vaga; Médico Psiquiatra: 1 vaga; Pedreiro: 1 vaga; Professor de Educação Física: 2 vagas. Veja as vagas para cadastro de reserva? artesão; auxiliar de farmácia; dentista; engenheiro agrônomo; farmacêutico; fiscal tributário; fisioterapeuta; instrutor técnico desportivo; médico ortopedista; médico veterinário; nutricionista; técnico agrícola; técnico de vigilância sanitária; técnico em enfermagem; e telefonista. Confira as vagas para emprego público: Agente Comunitário de Saúde: 6 vagas e cadastro de reserva Atendente de Consultório Dentário: 1 vaga; Técnico de Higiene Dental: 1 vaga; Veja mais notícias da região no G1 Norte e Noroeste.
Veja Mais

15/08 - Fabricante da cerveja Corona investe US$ 4 bilhões no mercado de maconha
Constellation Brands, o grupo que fabrica a cerveja Corona, anunciou investimento de US$ 4 bilhões na empresa canadense Canopy Growth, atualmente o maior produtor canadense de cannabis medicinal. Empresa canadense especializada em maconha Canopy Growth Chris Wattie/File Photo/Reuters O Constellation Brands, o grupo que fabrica a cerveja Corona, anunciou nesta quarta-feira (15) um investimento de US$ 4 bilhões na empresa canadense especializada em maconha Canopy Growth, em uma grande aposta na cannabis e no potencial mercado de bebidas que incluam essa planta. Após adquirir em outubro uma participação de 9,9%, este novo investimento dará à Constellation Brands ao redor de 38% das ações da Canopy Growth. "Através deste investimento, estamos elegendo a Canopy Growth como o nosso parceiro global exclusivo para a maconha", explicou em comunicado o executivo-chefe da empresa americana, Rob Sands. A Constellation Brands, com sede no estado de Nova York, é um dos gigantes do mercado da cerveja nos Estados Unidos, graças principalmente às suas marcas mexicanas Corona, Modelo e Pacífico, embora também comercialize outros tipos de bebidas alcoólicas, como vinho, vodca e tequila. A aposta pela maconha faz parte da expectativa de que será legalizada nos próximos anos em uma série de países, principalmente nos EUA, onde vários estados já deram esse passo. As empresas deixaram claro hoje, no entanto, que não pensam em comercializar produtos de cannabis enquanto estes não forem permitidos por "todos os níveis de Governo". Isso quer dizer que por enquanto a Canopy Growth seguirá sem vender nos Estados Unidos, onde a lei federal ainda persegue a droga. Apesar disso, várias empresas se lançaram nos últimos anos à conquista de um mercado que promete grandes lucros, sobretudo desde que em 1 de janeiro a Califórnia deu sinal verde ao comércio de maconha com fins recreativos. As projeções apontam que só nesse estado, que tem uma população de quase 40 milhões de habitantes e uma das economias mais pujantes do mundo, o negócio de cannabis pode faturar pelo menos cerca de US$ 7 bilhões ao ano. As vendas legais de maconha nos Estados Unidos e no Canadá alcançaram em 2016 mais de US$ 11,7 bilhões e espera-se que cheguem aos US$ 23 bilhões nos próximos cinco anos, segundo a consultora ArcView. O Canadá, onde a maconha é permitida para fins medicinais, deve se tornar em outubro o terceiro país do mundo a legalizar totalmente o produto, depois do Uruguai e da Geórgia. A Canopy Growth é atualmente o maior produtor canadense de cannabis medicinal e tem previsto aumentar seus negócios para outros usos uma vez que a lei permitir. O principal diretor da empresa, Bruce Linton, considerou hoje em um comunicado que a experiência da Constellation Brands na construção de marcas, marketing e hábitos de consumo será fundamental na expansão dos produtos de cannabis da sua companhia. Entre eles, muitos analistas destacam o potencial das bebidas com cannabis, um mercado ainda muito limitado, mas onde os grandes produtores de álcool querem pôr um pé antes que seja muita tarde. Antes que a Constellation Brands, outras grandes cervejeiras americanas anunciaram nos últimos meses planos para impulsionar esse tipo de bebidas. A californiana Lagunitas (uma das pioneiras da cerveja artesanal e propriedade agora da Heineken) já lançou em julho uma água com gás com sabor de lúpulo e com tetrahidrocannabinol (THC), o agente psicoativo da maconha. Após o anúncio de hoje, as ações de Canopy Growth dispararam mais de 20%, enquanto que as da Constellation Brands caíam cerca de 9%.
Veja Mais

15/08 - Marfrig diz que espera vender Keystone nas próximas semanas
Segunda maior processadora de carne bovina do mundo está nos Estados Unidos tratando de negociações para a venda da unidade. A venda da unidade norte-americana Keystone da Marfrig deve ser anunciada "no máximo" nas próximas semanas, afirmou o diretor financeiro da companhia brasileira de carne bovina, Eduardo Miron, nesta quarta-feira (15). A diretoria da segunda maior processadora de carne bovina do mundo está nesta quarta nos Estados Unidos tratando de negociações para a venda da unidade que fornece alimentos para redes de lanchonetes e restaurantes. Marfrig escolhe 5 interessadas na venda da Keystone "Estamos fazendo nossa teleconferência de resultados (de segundo trimestre) aqui nos EUA e não no Brasil por causa do processo de negociação. Está avançando, pode acontecer a qualquer momento, nas próximas semanas no máximo", disse Miron em entrevista com jornalistas por telefone. O presidente do conselho de administração da Marfrig, Marcos Molina, que também acompanha os diretores da companhia nos EUA, afirmou durante teleconferência com analistas que a principal prioridade da companhia é a venda da Keystone, comprada pela Marfrig oito anos atrás por 1,26 bilhão de dólares. "A nossa prioridade número 1 é concluir a venda da Keystone. A segunda é pagarmos as dívidas e termos uma empresa de baixo endividamento", disse Molina. Os executivos, porém, não deram mais detalhes sobre os grupos com quem a Marfrig está negociando a unidade. No final de julho, fonte com conhecimento do assunto afirmou à Reuters que a Marfrig estava negociando com exclusividade com a norte-americana Tyson Foods sobre a Keystone. A intenção da Marfrig era conseguir a venda da unidade por até 3 bilhões de dólares. Miron reafirmou o compromisso da Marfrig em reduzir a relação dívida líquida sobre lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado para abaixo de 2,5 vezes até o final do ano e que a empresa está "bastante confortável" com isso. A Marfrig encerrou junho com alavancagem de 4,2 vezes. Por volta das 14h10, as ações da empresa tinham queda de 3%. Além da venda da Keystone, a Marfrig segue comprometida com planos de venda de sua fábrica remanescente na Argentina. "Nada mudou sobre o que tínhamos colocado antes", disse Miron. A Marfrig divulgou na noite da véspera prejuízo líquido de R$ 582 milhões, acima do resultado negativo de R$ 262 milhões sofrido no segundo trimestre de 2017. O resultado foi pressionado por adesão da empresa a um programa de renegociação da dívida do Funrural, que impactou o balanço em R$ 616 milhões. O desempenho da empresa no Brasil também foi afetado pela greve dos caminhoneiros, disse o presidente-executivo da Marfrig, Martín Secco. Ele acrescentou que a empresa está voltando à normalidade de operações no país e nas exportações, que sofreram "impacto importante" durante a paralisação dos motoristas.
Veja Mais

15/08 - Inadimplência sobe em julho e atinge mais da metade das famílias paulistanas
Inadimplência sobe em julho e atinge mais da metade das famílias paulistanas Mutirão de empresa de crédito tenta renegociar essas dívidas. Veja dicas para ficar no azul.
Veja Mais

15/08 - PDG paga 3ª parcela prevista em plano de recuperação
Em junho e julho, empresa fez o pagamento das parcelas anteriores a credores. O presidente da PDG Realty, Vladimir Ranevsky, afirmou nesta quarta-feira (15) que a companhia fez na véspera a terceira parcela de pagamento a credores prevista em plano de recuperação judicial. PDG Realty apresenta 38 planos de recuperação judicial Em junho, a empresa fez o pagamento da primeira parcela, de R$ 13,2 milhões. E, no mês passado, foi paga a segunda parcela, de R$ 14,6 milhões. No segundo trimestre, a PDG Realty reduziu suas dívidas concursais — sujeitas à recuperação judicial — em 8% ante o primeiro trimestre, para R$ 792 milhões. De acordo com a companhia, estão previstos pagamentos relevantes para credores trabalhistas, quirografários e fornecedores neste ano. Parte da dívida da PDG foi convertida em ações por meio de aumento de capital de R$ 74,2 milhões. Protesto reuniu 50 pessoas em frente ao prédio do escritório da PDG em Campinas, em imagem de arquivo. Marcello Carvalho/ G1 Campinas Pedido de recuperação Em 22 de fevereiro de 2017, a PDG pediu recuperação judicial, após o acordo de reestruturação de dívidas assinado em maio de 2016 com bancos credores ter fracassado. A justiça deferiu o pedido em 2 de março, nomeando a PricewaterhouseCoopers como administradora do processo. Foi estipulado ainda um prazo de 60 dias para a apresentação do plano de recuperação judicial. No final de março, a PDG tinha dívida líquida e custos a incorrer da ordem de R$ 5,8 bilhões, conforme material de divulgação do balanço. Em junho, a PDG e sua securitizadora apresentaram 38 planos de recuperação judicial, um principal para a controladora e maior parte das 512 sociedades de propósito específico (SPEs) e outros 37 planos individuais para os empreendimentos segregados pelo patrimônio de afetação (regime pelo qual os bens e direitos vinculados a um empreendimento, como terrenos e vendas, ficam separados do patrimônio total da empresa).
Veja Mais

15/08 - Facebook remove rede brasileira de 'engajamento falso'
Grupo estaria usando contas e páginas para compra e venda de reações e seguidores. O Facebook informou nesta quarta-feira (15) que removeu uma rede no Brasil cujo objetivo seria de falsamente ampliar o engajamento em busca de ganho financeiro. A rede de 72 grupos, 50 contas e cinco páginas teria violado as políticas de autenticidade e spam e encorajado e permitido a obtenção de seguidores e curtidas, além da troca de páginas. Em comunicado, a rede social informou que uma entidade identificada como PCSD, baseada no Brasil, usou esses grupos, contas e páginas para a compra e venda de reações, seguidores e páginas, violando os padrões da comunidade. "Nós não permitimos um comportamento inautêntico coordenado e estamos banindo o PCSD de nossa plataforma", afirmou o Facebook em nota. A rede do Brasil teria sido detectada pelo Digital Forensic Research Lab (DRFLab) durante uma investigação sobre a falsa amplificação de páginas políticas na recente eleição do México. Em relatório, o DRFLab, uma unidade da organização não governamental Atlantic Council, dos EUA, afirma que esse tipo de rede "tem potencial para distorcer o debate online na campanha eleitoral brasileira, permitindo a clientes criar a falsa impressão de popularidade ao fornecer seguidores e 'likes' espúrios, como foi visto no México". O relatório não menciona candidatos ou partidos. O Facebook afirma que, apenas no primeiro trimestre do ano, foram removidos 837 milhões de conteúdos de spam, e derrubados 583 milhões de contas falsas em todo o mundo. Rede de desinformação Em julho, o Facebook afirmou ter excluído páginas que afirmou serem de uma "rede de desinformação". A rede social não especificou quais eram os perfis envolvidos, mas o Movimento Brasil Livre (MBL) informou que diversos dos seus coordenadores foram afetados. O Facebook disse em um comunicado que desativou 196 páginas e 87 contas no Brasil por sua participação em "uma rede coordenada que se ocultava com o uso de contas falsas no Facebook, e escondia das pessoas a natureza e a origem de seu conteúdo com o propósito de gerar divisão e espalhar desinformação”. O MBL, que ganhou destaque ao liderar protestos em 2016 pelo impeachment da então presidente Dilma Roussefff, afirmou na ocasião que a retirada de suas contas do ar foi arbitrária.
Veja Mais

15/08 - Vendas no varejo nos EUA e dados industriais reforçam perspectiva econômica do 3º trimestre
Forte demanda doméstica reforça expectativas de que o banco central dos EUA aumentará os juros em setembro. As vendas no varejo nos Estados Unidos cresceram mais do que o esperado em julho, à medida que as famílias impulsionaram as compras de veículos e roupas, sugerindo que a economia permanece forte no início do terceiro trimestre. Outros dados desta quarta-feira (15) mostraram que a produção manufatureira subiu solidamente no mês passado e a produtividade dos trabalhadores cresceu em seu ritmo mais rápido em mais de três anos no segundo trimestre, embora uma queda nos custos trabalhistas tenha apontado para uma moderada inflação salarial. Presidente dos EUA, Donald Trump, comenta desempenho da economia no 2º trimestre Carlos Barria/Reuters A forte demanda doméstica reforça as expectativas de que o banco central dos EUA, Federal Reserve, aumentará a taxa de juros em setembro pela terceira vez este ano, apesar da volatilidade nos mercados emergentes que foi provocada por uma crise econômica e política na Turquia. "A economia parece estar bem posicionada para continuar crescendo", disse Jim Baird, diretor de investimentos da Plante Moran Financial Advisors, em Kalamazoo, Michigan. "O persistente otimismo do setor de consumo está fazendo sua parte para manter o motor de crescimento funcionando e os varejistas estão se beneficiando." O aumento de julho nas principais vendas no varejo sugeriu que a economia iniciou o terceiro trimestre em bases sólidas após registrar seu melhor desempenho em quase quatro anos no segundo trimestre. O PIB subiu a uma taxa anualizada de 4,1% no período de abril a junho, quase o dobro do ritmo de 2,2% no primeiro trimestre. Embora a economia não deva repetir o desempenho robusto do segundo trimestre, o crescimento no período de julho a setembro deve superar a taxa de 3,0%. As perspectivas da economia para o terceiro trimestre também foram reforçadas por um relatório do banco central dos EUA que mostrou que a produção nas fábricas do país aumentou 0,3% em julho, após alta de 0,8% em junho. Isso ajudou a compensar os declínios na produção de mineração e utilidades, elevando a produção industrial em 0,1% no mês passado. A produção industrial foi impulsionada por fortes aumentos na fabricação de veículos e peças, assim como em produtos de informática e eletrônicos. Também houve ganhos na produção de vestuário e couro, petróleo, produtos químicos, plásticos e produtos de borracha.
Veja Mais

15/08 - AGU fecha acordo que prevê cota racial em concursos para Forças Armadas
A Advocacia-Geral da União (AGU) fechou um acordo extrajudicial que prevê a adoção de reserva de vagas para negros e pardos em concursos públicos para as carreiras das Forças Armadas. O termo de ajustamento de conduta foi firmado no âmbito de uma ação movida pelo Ministério Público Federal para adoção das cotas previstas em uma lei de 2014. Pelo acordo, a União, por meio do Ministério da Defesa, se compromete a aplicar as cotas aos concursos em andamento e também aos futuros. A determinação não abrange, no entanto, a seleção de candidatos para cargos temporários. Na sentença de homologação do acordo, o juiz federal da 17ª Vara do Distrito Federal, João Carlos Mayer Soares, ressaltou que a adoção das cotas “se aplica a toda a administração federal, nela incluída as Forças Armadas, em todos os seus concursos públicos”. A AGU avalia, internamente, que acordos como esse reduzirão litígios evitarão uma série de recursos e novas ações sobre o tema. Editoria de Arte / G1
Veja Mais

15/08 - Android: aplicativo da Microsoft que permite sincronizar celular com o PC, já está disponível para todos usuários; saiba usar
A Microsoft liberou para todos os usuários do Windows 10 um programa que permite integrar os dispositivos móveis com o PC. O Your Phone pode ser baixado gratuitamente na loja oficial de aplicativos; na sua versão atual é possível transferir imagens entre os dispositivos conectados pelo mesmo Microsoft ID. Yourphone Divulgação/Microsoft Embora a versão atual do Your Phone seja estável, ela vem com menos recursos em relação ao que foi anunciado pelo fabricante. Porém algumas opções de integração podem ser obtidas e usadas paralelamente com o Cortana. Como, por exemplo, o recebimento de notificações de chamadas perdidas, alertas de bateria fraca do telefone, responder a mensagem de texto. Para configurar o Your Phone, siga os passos descritos abaixo: Instale as atualizações do Windows 10. Acesse a Microsoft Store ou clique aqui para baixar e instalar o Your Phone. Execute o Your Phone. Clique no botão "Entrar" e informe os dados de login do Microsoft ID. Autorize o programa a acessar as informações pessoais. Clique no botão "Vincular telefone". Informe o número do telefone celular. Instale no celular o aplicativo Microsoft App. Informe os dados de login do Microsoft ID vinculados ao PC. Pronto! O PC estará sincronizando o compartilhamento de imagens entre os dispositivos que foram associados a mesma conta, e sincronizando no PC as notificações recebidas pelo celular. Selo Ronaldo Prass Ilustração: G1
Veja Mais

15/08 - Brasil vai repetir superávit comercial em 2018, diz ministro da Indústria e Comércio
Em 2017, balança comercial registrou superávit de US$ 67 bilhões. Marcos Jorge de Lima diz que o foco do país é ir na contramão do protecionismo e ampliar relações com outros países. O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge de Lima, em evento no Rio. Daniel Silveira/G1 A balança comercial do Brasil deve repetir em 2018 o resultado do ano passado, afirmou nesta quarta-feira (15) o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), Marcos Jorge de Lima. Em 2017, as exportações brasileiras superaram as importações em US$ 67 bilhões, o melhor resultado desde 1989, início da série histórica do MDIC. Segundo Lima, nos 7 primeiros meses deste ano a corrente de comércio do país aumentou em quase 13% e “segue crescendo”. “Os números reforçam que o caminho traçado está correto, mas ainda há muito o que fazer”, disse o ministro em discurso na abertura do Encontro Nacional de Comércio Exterior (Enaex), realizado nesta quarta-feira (15) no Rio de Janeiro. O ministro lembrou que, em 2017, o Brasil registrou o primeiro crescimento das exportações depois de 5 anos, com aumento de 18,5% das vendas externas, com destaque para produtos manufaturados. “Ressalto que para cada 1 bilhão de produtos manufaturados exportados, estimamos o envolvimento de até 50 mil postos de trabalho”, destacou. Ele acrescentou que as importações também tiveram, no ano passado, o primeiro crescimento após três anos “caracterizado pela aquisição saudável de insumos para a produção agrícola”. Dentre os principais desafios para aumentar ainda mais o superávit comercial, Lima destacou a necessidade de melhorar o ambiente de negócio, estimulando ganhos de competitividade e reduzir os custos e prazos. Ele destacou que somente os tributos de trabalho e previdência que incidem sobre a produção brasileira encarecem em até 14% as operações no país. O ministro defendeu a necessidade de se “estabelecer um elo permanente e duradouro entre e o desenvolvimento e o comércio exterior”, atuando na contramão do protecionismo adotado por alguns países. Lima disse que “o resultado de disputas comerciais como a que assistimos hoje pode ser nefasto, com consequências danosas a todos”. “Em direção oposta ao protecionismo, o Brasil segue determinado a aumentar sua participação no comercio internacional por meio de negociações de novos acordos de comércio. Nos últimos dois anos, realizamos o posicionamento estratégico do nosso país com a retomada e o fortalecimento do diálogo com mais de 15 países, incluindo China, Estados Unidos e Argentina, os três maiores parceiros comerciais do nosso país”, destacou o ministro. Lima destacou, ainda, que o principal empenho do país atualmente está na abertura de mercado com a União Europeia e com a Ásia. “Estamos empenhados em concluir um acordo histórico de livre comércio com a União Europeia, o que demandará vontade política de ambos os blocos na busca de um acordo equilibrado. Também estamos avançando em negociações com Canadá, Índia e, mais recentemente, lançamos também negociações com a Coreia do sul e Singapura, porta de entrada para o grande mercado do sul asiático”, disse. Segundo o ministro, “esse conjunto de negociações oferece a possibilidade de melhor acesso do Brasil a países que representam a metade do PIB mundial e a mais de 40% das exportações mundiais”. Ele enfatizou tratar-se de um mercado que consome “mais de 25 vezes do total de importações do Brasil atualmente”.
Veja Mais

15/08 - Prefeituras de Sagres e Panorama têm concursos públicos com inscrições abertas
Ainda há certames voltados a estudantes de direito que visam oportunidades de estágio, em Presidente Prudente. A Defensoria Pública do Estado de São Paulo (DPE-SP) anunciou concurso público que objetiva a formação de cadastro reserva de estagiário em diversos municípios. Presidente Prudente está entre as cidades com oportunidades. Os interessados devem preencher o formulário de inscrição que está disponível no site do Centro de Integração Empresa-Escola (Ciee) até o dia 22 de agosto de 2018. É necessário que o estudante esteja cursando a partir do sexto semestre do curso de Direito e como forma de classificação, há prova objetiva que está prevista para o dia 2 de setembro de 2018. Os contratados são contemplados com bolsa-auxílio de R$ 750, acrescida de auxílio-transporte de R$ 54,53. Mais informações podem ser consultadas no edital. O Ministério Público Estadual (MPE) também está com processo seletivo aberto para o provimento de cargos de analista jurídico. São 60 vagas distribuídas por regiões do Estado de São Paulo e, em Presidente Prudente, há oportunidade na formação de cadastro reserva. O cargo exige formação em bacharel em direito, mas não é preciso ter experiência na área. O interessado deve se inscrever pela internet, até o dia 22 de agosto. A taxa é de R$ 120. A remuneração inicial que totaliza R$ 7.697,23, além de acréscimos das vantagens pecuniárias de caráter geral, para a jornada de 40 horas semanais, conforme o edital. A Prefeitura de Sagres tem concurso público de níveis técnico e superior com inscrições abertas. São nove vagas distribuídas entres os cargos de arquiteto, engenheiro ambiental, nutricionista, professores de ensino fundamental e infantil, bem como para técnico agrícola. Os contratados deverão cumprir jornadas de trabalho de 20h a 40h semanais e os salários variam de R$ 841,58 a R$ 2.931,09. Os interessados devem se inscrever pela internet até o dia 24 de agosto. A taxa é de R$ 55 e R$ 65, conforme o cargo escolhido. A aplicação da prova objetiva está prevista para o dia 16 de setembro. Haverá ainda a realização de avaliação de títulos. Mais informações podem ser consultadas no edital. A Prefeitura de Panorama, por meio de processo seletivo com inscrições abertas, visa o preenchimento de cargos de ensinos fundamental, médio e superior. A carga horária será de 40 horas semanais e os salários variam de R$ 1.041,31 a R$ 1.736,10, com exceção os professores que receberão por hora/aula. Os interessados deverão se inscrever pela internet até o dia 21 de agosto. A taxa é de R$ 10,54 para candidatos com ensino fundamental e de R$ 16,72 para os profissionais de ensinos médio e superior. As vagas disponíveis são para ajudante geral, auxiliar de educação, leiturista, motorista e professores de educação básica, infantil e especial. A data, horário e local das provas serão divulgados no site da banca organizadora com, pelo menos, cinco dias de antecedência, segundo o edital. Continuam abertas as inscrições para a contratação de professores titulares junto ao Departamento de Física, na disciplina de ciência e tecnologia de filmes fino e espectroscopia óptica, junto à Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (Unesp), campus de Presidente Prudente. Em regime de Dedicação Integral à Docência e à Pesquisa (RDIDP), os selecionados portadores do título de livre-docente devem receber remuneração no valor de R$ 15.631,40, que corresponde à referência MS-6. As inscrições devem ser realizadas até o dia 25 de setembro de 2018, das 8h às 11h30 e das 13h30 às 15h30, na Seção Técnica de Comunicações da Unesp, localizada na Rua Roberto Simonsen, 305, em Presidente Prudente. A taxa do investimento é de R$ 191. Com validade de seis meses, o certame compreende prova de títulos, prova didática e prova de arguição do memorial ou do curriculum lattes. Mais detalhes podem ser conferidos no edital disponível na página 354 da edição de 26 de junho do Diário Oficial.
Veja Mais

15/08 - Quer mais rentabilidade nos investimentos sem correr risco de perder dinheiro? Conheça o COE
Modalidade de aplicação oferece a garantia da renda fixa com a possibilidade de ganhos da renda variável COE é ótima opção para migrar da renda fixa para a renda variável Divulgação Buscar uma rentabilidade maior é o desejo de qualquer um que investe em renda fixa. O problema, claro, é a volatilidade. Para muitas pessoas, é difícil aceitar a possibilidade de perder dinheiro em uma aplicação mais arrojada. É aí que entra o COE, que pode ser uma ótima alternativa. COE significa Certificado de Operações Estruturadas e é um produto relativamente novo no mercado – chegou em 2015. O grande diferencial desse investimento é a possibilidade de alcançar ganhos expressivos da renda variável, com 100% do capital investido garantido, ou seja, sem perder dinheiro. Isso mesmo. Como assim? Existe uma modalidade de COE com valor nominal protegido. Significa que, se você não ganhar a rentabilidade projetada, não perde nada. Na pior das hipóteses, você sai exatamente com o montante que investiu. Funciona assim: cada COE é montado pelo emissor, com base em análises e tendências, considerando cenários econômicos, em determinado prazo. Um COE pode usar como referência um índice de bolsa de valores ou as ações de um grupo de empresas, entre outros. Se a proposta do COE, feita pelo emissor, se concretizar, o investidor recebe o percentual acordado de rentabilidade. Se não se concretizar, o investidor recupera o valor integral aplicado, sem imposto e sem custo. Vamos a um exemplo para facilitar o entendimento: Você compra um COE de R$ 10 mil, prazo de 1 ano, com estratégia de crescimento do índice de determinada bolsa de valores estrangeira (que vamos chamar de ÍNDICE aqui), e alavancagem de 4 vezes. Essas, então, são as condições do COE. Pelas regras desse COE fictício, quando completar um ano, se o ÍNDICE subir 2%, você ganha R$ 800. Esse valor representa 8% de rentabilidade, que são os 2% de aumento no prazo, multiplicado por 4 vezes da alavancagem. Da mesma forma, se o ÍNDICE tiver uma variação positiva de 10% em 1 ano, o COE alavanca essa rentabilidade em 4 vezes, atingindo 40%. Ou seja, você retira os seus R$ 10 mil, mais R$ 4 mil de ganho (equivalente aos 40%). Mas, caso o ÍNDICE recue nesse período de 1 ano, que é o pior cenário possível, você recupera os R$ 10 mil investidos integralmente. Transição da renda fixa “Com essas vantagens, o COE se tornou uma boa opção para quem quer buscar rentabilidades maiores do que a renda fixa, mas não se sente seguro para operar diretamente em modalidades como a bolsa de valores, por exemplo”, afirma Thiago Villela, diretor da Órama, plataforma de investimento 100% online que oferece COE aos seus clientes. “É um instrumento de transição da renda fixa para os ativos de risco. O cliente da renda fixa, tradicionalmente, não está acostumado a ver rendimento negativo, como pode acontecer com ações. E no COE que oferecemos ele não perde o valor nominal investido”, explica Villela. É importante, porém, o investidor observar o quanto da sua carteira vai aplicar em COE. Isso porque é um investimento sem liquidez, ou seja, o dinheiro só pode ser resgatado ao fim do prazo estabelecido na contratação. “Para quem quer investir em COE, recomendamos entre 20% e 30% da carteira. É importante não imobilizar todo o capital”, lembra Villela. Órama Você encontra opções de COE e outros investimento na Órama. O cadastro na plataforma é totalmente gratuito, e tudo pode ser feito de forma 100% online, pelo computador ou smartphone.
Veja Mais

15/08 - Cinco investimentos em Renda Fixa para sair da poupança com total segurança
Veja opções de títulos e fundos para aumentar a rentabilidade das suas aplicações Se você quer sair da poupança, mas faz questão de manter a segurança que a aplicação oferece, precisa conhecer os títulos de Renda Fixa. Você pode ter acesso a eles comprando diretamente ou por meio de Fundos de Investimentos. Os títulos de Renda Fixa funcionam como uma espécie de empréstimo que você concede a uma instituição em troca de juros. Dependendo do tipo de papel, o investidor estará emprestando dinheiro aos bancos, às financeiras ou até mesmo às empresas. Em troca, recebe uma rentabilidade geralmente acima da poupança. Hoje, por exemplo, é possível conseguir uma rentabilidade líquida entre 6% e 7% ao ano, enquanto a poupança está rendendo na faixa de 4,7% ao ano. Entre as opções de investimentos, há as aplicações com ou sem liquidez. A liquidez se refere ao período que o capital fica retido na aplicação. Tem investimentos com alta liquidez, em que você tem acesso rápido ao dinheiro. E tem outros que o dinheiro leva alguns dias pra chegar ao seu bolso. Em alguns casos, no entanto, não há liquidez. Você só pode resgatar no fim do prazo determinado. Na Renda Fixa, o rendimento dos papéis geralmente está relacionado ao CDI, indicador que, basicamente, acompanha a variação da taxa Selic, atualmente em 6,5% ao ano. Em alguns títulos de Renda Fixa, como os CDBs, é preciso pagar Imposto de Renda, alíquota que varia de 22,5% a 15%, dependendo do tempo de aplicação. No caso de LCIs e LCAs, por se tratarem de títulos incentivados, há isenção do pagamento de IR. Na mesma linha de perfil conservador também estão os Fundos DI. O fundo DI é um fundo de investimento que aplica basicamente em títulos públicos federais, como o Tesouro Direto, e em outros papéis atrelados ao CDI. Para investir, o primeiro passo é abrir uma conta em uma instituição financeira e pesquisar os títulos que melhor se encaixam no seu perfil, levando em consideração o valor a ser aplicado e o prazo do investimento. A Órama, plataforma de investimentos 100% online, por exemplo, tem a menor taxa de administração do mercado para Fundos DI. Os títulos de Renda Fixa são bastante procurados pelo investidor conservador porque oferecem a mesma segurança da caderneta de poupança - o Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que cobre até o valor de R$ 250 mil por CPF e por emissor, em caso de insolvência da instituição financeira. Eles fazem parte também da composição da carteira dos investidores de perfil moderado e arrojado, já que são uma ótima maneira de manter o capital com rendimento acima da caderneta. Conheça 5 tipos de aplicações em Renda Fixa: CDB, ou Certificado de Depósito Bancário, é um título privado emitido por bancos, com o objetivo de captar recursos para financiar atividades como a concessão de crédito, e você receberá juros por isso. Neste caso, paga-se IR, que começa em 22,5% e cai até chegar a 15%, depois de dois anos. LC, ou Letra de Câmbio, é um título de crédito privado emitido, em geral, por financeiras. É lastreada em contratos de financiamento para pessoas físicas e jurídicas. Ou seja, você empresta dinheiro para, depois, a financeira emprestar dinheiro aos clientes dela, e você receberá juros por isso. LCI, ou Letra de Crédito Imobiliário, é um título emitido por instituições financeiras. É lastreada em créditos imobiliários, garantidos por hipotecas ou alienação fiduciária. Quando você compra uma LCI, está emprestando dinheiro a essas instituições e receberá juros por isso. Por ser um título incentivado, é isento de imposto de renda. LCA, ou Letra de Crédito do Agronegócio, é um título emitido por instituições financeiras, atrelado a operações de crédito do agronegócio. Ao comprar uma LCA, você está emprestando dinheiro a essas instituições e receberá juros por isso. É isento de imposto de renda por ser um título incentivado. Fundos DI investem em títulos de Renda Fixa, tendo como base o CDI. A liquidez oscila entre 1 e 5 dias, e o ideal é que a taxa de administração fique entre 0,2% e 0,5% ao ano. Por se tratar de fundo, pode ser sacado a qualquer momento, porém incide Imposto de Renda. A mordida do Leão diminui quanto maior for o tempo do capital aplicado - de 22,5% para o prazo de até 180 dias, até 15% quando acima de 720 dias. Na Órama, os fundos DI têm a menor taxa de administração do mercado. Quer aplicar com segurança e experimentar além da poupança? Conheça as opções de renda fixa e fundos da Órama. Você pode investir pelo smartphone ou computador. O cadastro é gratuito, rápido e fácil, e você não paga nada para manter sua conta.
Veja Mais

15/08 - CNC reduz previsão de abertura de novas lojas no país de 20,7 mil para 5,2 mil em 2018
No 1º semestre, o saldo de aberturas e fechamentos de estabelecimentos comerciais foi de apenas 2.252. A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) passou a projetar a abertura de apenas 25% do total de novas lojas inicialmente previstas para o ano. Diante da lenta recuperação econômica e cautela nos investimentos, a entidade reduziu nesta quarta-feira (5) sua previsão de 20,7 mil pontos de venda no varejo brasileiro em 2018 para a 5,2 mil novas lojas. Para a CNC, além das paralisações ocorridas em decorrência da greve dos caminhoneiros em maio, a fraqueza do mercado de trabalho, a desvalorização do real, as pressões de custos impostas pelo ritmo mais acelerado de preços administrados e a elevada incerteza com relação ao cenário político são alguns dos principais fatores que inibem os investimentos. “Apesar do saldo positivo de lojas ao longo dos últimos seis meses, o ritmo de expansão do número de pontos de venda pode ser considerado tão frustrante quanto a percepção de desaceleração no ritmo de atividade econômica”, afirma Fabio Bentes, chefe da Divisão Econômica da Confederação. A entidade reduziu também de 4,7% para 4,5% a projeção do volume de vendas do setor para 2018. No 1º semestre, o saldo entre aberturas e fechamentos de estabelecimentos comerciais foi de 2.252 pontos de venda. Apesar do ritmo ainda fraco, foi o maior saldo semestral desde a segunda metade de 2013 (+16,7 mil lojas). No primeiro semestre do ano passado, o setor acumulou a perda de 226,7 mil pontos de venda em todo o país. A crise no varejo brasileiro teve início em 2014, quando as vendas encolheram pela primeira vez em 11 anos. Nos dois anos seguintes, o quadro se agravou, com o faturamento do comércio registrando perdas reais de 8,6% e 8,7% em 2015 e 2016, respectivamente, segundo a CNC. Crise fechou mais de 200 mil lojas no Brasil, nos últimos três anos Setores e regiões O destaque na abertura de lojas no 1º semestre deste ano são os hiper e supermercados, com um saldo de 1.378 novas lojas, seguidos pelas lojas de artigos de uso pessoal e doméstico (+841) e pelo ramo de vestuário (+782). Por outro lado, estabelecimentos especializados em venda de materiais de construção foram os que mais fecharam portas (-915). Regionalmente, os estados de São Paulo e Santa Catarina foram os com o maior número de abertura, com 2.468 e 852 novas lojas, respectivamente. Já o Rio de Janeiro liderou os fechamentos, com a érda de 1.038 pontos de venda.
Veja Mais

15/08 - Falha no recebimento de fax de impressoras multifuncionais permite invadir rede de computadores
Pesquisadores da empresa de segurança Check Point descobriram que uma falha presente em máquinas de fax modernas -- que costumam ser impressoras multifuncionais conectadas à rede de computadores -- deixa esses equipamentos vulneráveis, permitindo que um invasor se aproveite deles para alcançar a rede em que a máquina está conectada a partir do sinal de fax na linha telefônica. Os especialistas Eyal Itkin e Yaniv Balmas da Check Point investigaram o problema em máquinas da HP, mas eles creem que aparelhos de outros fabricantes também estejam vulneráveis. A HP publicou uma correção para a falha no dia 1° de agosto, impactando mais de 150 modelos das linhas PageWide, Officejet, Designjet, Deskjet, Photosmart e Envy. Para conferir se o seu modelo possui a falha, consulte o site da HP. HP PageWide Pro MFP 772dw, um dos mais 150 modelos listados como vulneráveis pela HP Divulgação De acordo com a Check Point, ainda existem mais de 46 milhões de máquinas de fax em operação no mundo. Não se sabe quantas delas podem estar vulneráveis. Muitas redes de computadores empresariais são protegidas por bloqueios no perímetro, com a rede externa (a internet) separada da rede corporativa na qual estão conectados os computadores, impressoras e outros equipamentos que não devem ficar expostos. Ao atacar uma impressora multifuncional pelo fax, um invasor abriria atalho para dentro da rede da empresa pela linha telefônica. Para explorar a falha, o invasor só precisa mandar um fax, porque a brecha está na maneira que as multifuncionais processam uma comunicação de fax em formato de imagem JPEG. Os pesquisadores descobriram que as máquinas inicialmente ignoram uma parte da imagem que deveria ser descartada. Ao ser processada, essa parte não descartada gera um erro de leitura e permite que o fax controle (ou seja, programe) a impressora. Obtendo o controle da impressora através do fax, os pesquisadores conseguiram então adaptar o código de ataque da falha EternalBlue (a mesma que foi usada pelo vírus de resgate WannaCry de 2017) para que impressora multifuncional pudesse atacar computadores Windows presentes na mesma rede que ela. Embora a brecha EternalBlue já tenha sido corrigida, isso mostra que é viável atacar computadores com Windows a partir da impressora. A brecha descoberta pela Check Point foi comunicada à HP no dia 1° de maio. A empresa demorou dois meses para produzir uma correção, que foi testada após uma reunião com os especialistas no início de julho. A pesquisa foi publicada neste domingo (12) e divulgada na conferência de segurança DEF CON, em Las Vegas, nos Estados Unidos. HP cria oferta de até US$ 10 mil por brechas em impressoras No dia 31 de julho, um dia antes de corrigir a brecha no componente de fax, a HP lançou uma iniciativa em que promete pagar até US$ 10 mil (cerca de R$ 39 mil) para quem descobrir brechas graves em suas impressoras. O programa de "Bug Bounty" (como são chamadas essas ofertas) está disponível no site Bugcrowd. Esse é o primeiro programa de recompensas por falhas em impressoras. O valor pago dependerá da gravidade do problema. A HP também afirmou que pode considerar recompensar pesquisadores que relatarem falhas já conhecidas pela empresa, dependendo do caso, como "gesto de boa-fé". Dúvidas sobre segurança, hackers e vírus? Envie para g1seguranca@globomail.com Selo Altieres Rohr Ilustração: G1
Veja Mais

15/08 - Bovespa recua mais de 1% com tom negativo no exterior, balanços e política
Mercado repercute os desdobramentos da crise na Turquia e acompanha o cenário eleitoral no Brasil; na véspera, índice subiu 1,43%, a 78.602 pontos. O principal índice da bolsa brasileira opera em forte queda nesta quarta-feira (15). O mercado repercute os desdobramentos da crise na Turquia e acompanha o cenário eleitoral no Brasil, no último dia de registro das chapas que concorrerão à Presidência. O pregão é marcado ainda pela divulgação de balanços e por vencimentos de opções sobre o Ibovespa e o índice futuro. Às 14h47, o Ibovespa caía 1,38%, a 77.490 pontos. Veja mais cotações. Na véspera, o Ibovespa subiu 1,43%, a 78.602 pontos. O que é a bolsa de valores e para que ela serve? Os três principais índices de ações dos Estados Unidos também caíam nesta quarta, em um amplo declínio devido a preocupações com o fortalecimento do dólar, a crise cambial da Turquia e as relações comerciais dos Estados Unidos com seus parceiros. "Investidores locais começaram o dia avaliando a retomada da cautela no mercado externo, acompanhando os riscos na Turquia", disse à Reuters o analista Régis Chinchila, da Terra Investimentos. A Turquia anunciou nesta quarta que vai impor tarifas de até 140% sobre diversos itens importados dos Estados Unidos, em retaliação à decisão do governo Trump de sobretaxar o aço e alumínio vindo do país. Na véspera, o governo turco já tinha dito que iria boicotar eletrônicos americanos. A justificativa dos EUA para a medida foi a recente devalorização da lira turca frente ao dólar. A moeda já perdeu mais de 40% de seu valor neste ano. O presidente da Turquia se recusou a elevar os juros para conter as perdas, mas anunciou injeção de US$ 9 bilhões no sistema financeiro para garantir a liquidez dos bancos. A elevação nas tensões entre EUA e Turquia e o mau desempenho do yuan fizeram com que os investidores globais assumissem novamente uma postura de cautela, especialmente em relação aos mercados emergentes, segundo o Valor Online. O mercado também repercute pesquisas sobre intenções de votos mostrando candidato com viés considerado reformista pelo mercado sem vigor na corrida presidencial. Destaques As ações da Qualicorp caíam mais de 5%, entre as maiores quedas do Ibovespa, após a empresa divulgar na véspera que teve lucro líquido de R$ 88,6 milhões no segundo trimestre, alta de 24% ante o resultado apurado um ano atrás, quando houve o distrato da venda da carteira Potencial. Em nota a clientes, a equipe da Coinvalores destacou que a mudança no modelo de comercialização das carteiras da administradora de planos de saúde gerou impacto em seu faturamento, embora dentro das previsões de mercado. "Cabe registrar o tombo na base de beneficiários nas carteiras administradas pela companhia", afirmou, citando que ainda que, mesmo com o controle de gastos operacionais em vigor, houve queda no Ebitda (lucro antes dos juros, impostos depreciação e amortização), indicador que mede o potencial de geração de caixa. Kroton também caía acima de 5%. Petrobras perdia quase 3% nas ordinárias (direito a voto) e nas preferenciais (distribuição de dividendos). Vale caía mais de 3%. As ações da JBS estavam entre as maiores altas do índice, subindo mais de 2%. A empresa anunciou na véspera prejuízo de R$ 826,8 milhões no segundo trimestre, ante lucro de R$ 474 milhões um ano antes. BB Seguridade também subia forte, quase 4%. A ações da Eletrobras também operavam no azul. A companhia divulgou na véspera lucro de R$ 2,83 bilhões no segundo trimestre, frente a lucro de R$ 344 milhões registrados no mesmo período de 2017.
Veja Mais

15/08 - Eletrobras estipula em R$ 3,1 bilhões valor mínimo para leilão de ativos
No leilão, previsto para 27 de setembro, serão vendidas 71 participações societárias em negócios de geração eólica e linhas de transmissão. Sede da Eletrobras no Rio Reuters A diretoria executiva da Eletrobras aprovou os preços mínimos de venda das Sociedades de Propósito Específico (SPEs) nas quais a estatal é sócia, estipulando um valor de 3,1 bilhões de reais, de acordo com comunicado ao mercado divulgado pela estatal elétrica na noite de terça-feira. No leilão, previsto para 27 de setembro de 2018 na bolsa paulista B3, serão alienadas 71 participações societárias em SPEs reunidas em 18 lotes, que incluem ativos de geração eólica e linhas de transmissão. A operação tem por objetivo permitir que a empresa e suas controladas reduzam sua alavancagem financeira, diminuindo seus indicadores de dívida líquida/Ebitda a patamares usualmente praticados pelo mercado, informou a empresa anteriormente. O preço mínimo mais elevado foi estabelecido para o lote A (635,6 milhões de reais), no qual consta Santa Vitória do Palmar Holding. Neste empreendimento de geração eólica, a Eletrobras tem 78 por cento de participação. Segundo a estatal, os preços estão referenciados à data-base de 31 de dezembro de 2017 e incluem os custos de transação. Na véspera, a Eletrobras anunciou lucro líquido de R$ 2,8 bilhões no segundo trimestre. Acionistas da Eletrobras aprovam operar distribuidoras até dezembro
Veja Mais

15/08 - Dólar sobe e chega a bater R$ 3,92 com crise na Turquia e cena eleitoral 
Na véspera, a moeda norte-americana fechou a R$ 3,8674, queda de 0,74%. O dólar reduziu a forte alta, mas continua avançando nesta quarta-feira (15), diante da piora nas relações comerciais entre Turquia e Estados Unidos, após fechar no patamar de R$ 3,86 na véspera. Internamente, os investidores seguem monitorando o cenário eleitoral, no dia em que termina o prazo para registro das candidaturas das chapas à Presidência. Às 14h46, a moeda norte-americana subia 0,76%, a R$ 3,8968. Na máxima do dia até agora, chegou a R$ 3,9277. Veja mais cotações. Na terça-feira, o dólar fechou a R$ 3,8674, queda de 0,74%. No mês e no ano, acumula alta de 3% e 16,7%, respectivamente. Educação Financeira: O que faz o valor do dólar mudar em relação ao real? Mais VÍDEOS: Veja como é definido o valor do dólar e como o câmbio influencia sua vida A Turquia anunciou nesta quarta que vai impor tarifas de até 140% sobre diversos itens importados dos Estados Unidos, em retaliação à decisão do governo Trump de sobretaxar o aço e alumínio vindo do país. Na véspera, o governo turco já tinha dito que iria boicotar eletrônicos americanos. "O recuo da véspera veio de trégua externa. Hoje, com a retaliação dos turcos, as preocupações voltaram", afirmou à Reuters diretor da consultoria financeira Via Brasil Serviços, Durval Correa. A justificativa dos EUA para a medida foi a recente devalorização da lira turca frente ao dólar. A moeda já perdeu mais de 40% de seu valor neste ano. O presidente da Turquia se recusa a elevar os juros para conter as perdas, mas anunciou injeção de US$ 9 bilhões no sistema financeiro para garantir a liquidez dos bancos. As tensões afetam diretamente os países emergentes. Embora a lira turca tenha alguma recuperação hoje, o movimento é isolado e a moeda americana tem forte alta sobre as demais moedas emergentes, segundo o Valor Online. A tendência ainda é negativa para os emergentes e a recuperação da lira segue mais as ações do banco central turco do que uma melhora nos fundamentos econômicos ou no sentimento dos investidores com relação aos ativos daquele país, conforme explica o Rabobank em relatório. Entenda a crise da moeda da Turquia e os efeitos para emergentes e o Brasil Internamente, além do último dia para registro das chapas candidatas à Presidência, os investidores acompanham também pesquisa de intenção de votos, mostrando candidato voltado às reformas econômicas esperadas pelo mercado sem vigor na disputa presidencial. Ação do BC O Banco Central brasileiro ofertou e vendeu integralmente 4,8 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, rolando US% 2,64 bilhões do total de US$ 5,255 bilhões que vencem em setembro. Entenda swap cambial Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.
Veja Mais

15/08 - Conselho da Gafisa autoriza administração a buscar alternativas, inclusive venda
Decisão acontece após acionista pedir convocação de assembleia geral extraordinária para a destituição de todos os integrantes do conselho. O conselho de administração da Gafisa autorizou a administração da construtora a desenvolver potenciais alternativas estratégicas, inclusive por meio da venda do controle ou combinação dos negócios, de acordo com comuicdo divulgado na noite de terça-feira (14). A decisão do conselho foi tomada após a GWI Assest Management, acionista da Gafisa com a maior participação, ter pedido no início do mês a convocação de uma assembleia geral extraordinária para votar a destituição de todos os integrantes do conselho de administração. O conselho também autorizou a administração da empresa a contratar assessores financeiros e jurídicos para auxiliar no processo. A GWI tem participação de 25,71% na Gafisa, seguida por Wishbone Management, com 17,87%, e River and Mercantile Asset Management, com 9,25%, de acordo com o site da construtora. A Gafisa registrou prejuízo de R$ 198 milhões no 2º trimestre, acumulando perdas de R$ 290 milhões no semestre. No final de juno, a dívida líquida atingiu R$ 751,9 milhões.
Veja Mais

15/08 - Economia brasileira registra retração de 0,99% no segundo trimestre, aponta BC
Queda foi registrada em período marcado pela greve dos caminhoneiros. O IBC-Br foi criado para tentar antecipar resultado do PIB. Números oficiais serão divulgados pelo IBGE em 31 de agosto. 'Prévia do PIB' do BC cai no segundo trimestre. E eu com isso? A economia brasileira encolheu no segundo trimestre deste ano, segundo indicam números divulgados pelo Banco Central nesta quarta-feira (15). De acordo com a instituição, o chamado Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) registrou uma queda de 0,99% na comparação com os três primeiros meses deste ano. Esse número foi calculado com "ajuste sazonal", uma "compensação" para comparar períodos diferentes de um ano. Segundo o Banco Central, essa foi a maior queda do IBC-Br desde o primeiro trimestre de 2016 – quando o indicador registrou um tombo de 1,51% na comparação com os três meses anteriores. Esse recuo, no segundo trimestre deste ano, aconteceu após uma expansão de 0,20% nos três primeiros meses de 2018 (número revisado) e uma alta de 0,76% no último trimestre de 2017. O IBC-Br, do Banco Central, é um indicador criado para tentar antecipar o resultado do PIB, que é calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os números oficiais do PIB do segundo trimestre deste ano serão divulgados no dia 31 de agosto. PIB X IBC-Br O Produto Interno Bruto é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia. Em 2017, o PIB teve uma alta de 1%, após dois anos consecutivos de retração e, no primeiro trimestre deste ano, avançou 0,4% contra os três meses anteriores. O cálculo do IBC-Br, porém, é um pouco diferente do usado no PIB. O indicador do BC incorpora estimativas para a agropecuária, a indústria e o setor de serviços, além dos impostos. Os resultados do IBC-Br nem sempre mostraram proximidade com os dados oficiais divulgados pelo IBGE. Economia brasileira tem alta de 3,29% em junho Nesta quarta-feira (15), o BC avaliou que "há que se ter cuidado nas comparações trimestrais do IBC-Br e o PIB". Segundo a instituição, características conceituais e metodológicas do IBC-Br (entre as quais o processo de dessazonalização) podem ocasionar diferenças temporárias entre a sua evolução e a do PIB, "ensejando cautela em comparações nos horizontes mais curtos". "Ressalte-se que, relativamente ao mesmo trimestre de 2017, o IBC-Br elevou-se 0,84% no segundo trimestre desse ano. Essa variação interanual seria consistente com a evolução relativamente estável do PIB na margem, isto é, considerado o PIB do 2º trimestre em relação ao PIB do 1º trimestre, ajustado sazonalmente", acrescentou o BC. Greve dos caminhoneiros A "prévia" do PIB do BC registrou contração no segundo trimestre deste ano, período em que aconteceu a greve dos caminhoneiros – no fim de maio e começo do mês de junho – e impactou para baixo o nível de atividade. Analistas ouvidos pelo G1 estimaram impacto do movimento no PIB. A paralisação da categoria gerou uma crise no abastecimento em todo o país e falta de diversos produtos como, por exemplo, gás de cozinha, combustível nos postos, alimentos nos supermercados e querosene nos aeroportos. O Ministério da Fazenda estimou um efeito de R$ 15,9 bilhões na economia. Após o movimento, analistas de mercado reduziram sua previsão de crescimento do PIB para todo ano de 2018. Em março deste ano, os economistas dos bancos chegaram a projetar uma alta de 2,9% para este ano. Na semana passada, a estimativa de expansão para 2018 já havia recuado para 1,49%. Junho, parcial do ano e resultado em 12 meses Os dados do BC mostram que, somente em junho, o IBC-Br registrou uma alta de 3,29%, contra maio. A comparação também foi feita após ajuste sazonal, considerada mais apropriada por analistas. Quando a comparação é feita com junho do ano passado (sem ajuste sazonal, pois são períodos iguais), houve um crescimento de 1,82%, de acordo com o Banco Central. Na parcial deste ano, informou o BC, foi registrada uma expansão de 0,89% no indicador do nível de atividade da economia brasileira (sem ajuste sazonal) e, no acumulado em 12 meses até junho, houve uma expansão de 1,30% (também sem ajuste). Definição da taxa de juros O IBC-Br ajuda o Banco Central na definição dos juros básicos da economia. Atualmente, a taxa Selic está em 6,50% ao ano, na mínima histórica. Pelo sistema que vigora no Brasil, o BC precisa ajustar os juros para atingir as metas preestabelecidas de inflação. Quanto maiores as taxas, menos pessoas e empresas ficam dispostas a consumir, o que tende a fazer com que os preços baixem ou fiquem estáveis. Para 2018, a meta central de inflação é de 4,5%, com um intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. Desse modo, o IPCA, considerado a inflação oficial do país e medida pelo IBGE, pode ficar entre 3% e 6%, sem que a meta seja formalmente descumprida.
Veja Mais

15/08 - Marfrig tem prejuízo líquido de R$ 582 milhões no 2º trimestre
Receita líquida da companhia totalizou R$ 9,9 bilhões no trimestre, alta de 21% na comparação anual. Funcionário organizando frigorífico da Marfrig em São Paulo. REUTERS/Paulo Whitaker A Marfrig teve prejuízo líquido de R$ 582 milhões no segundo trimestre, ante prejuízo de R$ 262 milhões no mesmo período do ano anterior, em um resultado impactado pela adesão da empresa ao programa de renegociação da dívida do Funrural, informou a companhia na noite de terça-feira (14). A empresa ainda apurou um lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado de R$ 461 milhões entre abril e junho, alta de 199% em relação ao Ebitda ajustado de R$ 154 milhões no mesmo período do ano passado, destaca a Reuters. A receita líquida da companhia totalizou R$ 9,9 bilhões no trimestre, alta de 21% na comparação anual. Por ser bastante internacionalizada, grande parte do seu faturamento está atrelado à outras moedas que não o real. A Marfrig informou que a receita em em moeda estrangeira respondeu por 88% da receita total no 2º trimestre. O abate de bovinos totalizou 1.791 mil de cabeças, uma alta de 19% em relação ao 2º trimestre do ano passado. A Marfrig estimou ainda uma perda de abate em torno de 80 mil cabeças em razão da greve dos caminhoneiros que atingiu todo o Brasil em maio. Em junho, a Marfrig concluiu a compra de 51% da norte-americana National Beef Packing Company. Para manter a dívida em níveis saudáveis, a empresa prevê a venda a Keystone Food. JBS fecha o 2º trimestre com prejuízo de R$ 826 milhões
Veja Mais

15/08 - Berço da Vale, Itabira, em MG, teme pelo fim da exploração mineral por parte da empresa
Mineradora prevê a exaustão das minas da cidade em dez anos. Vale gera mais da metade da receita do município, diz prefeitura. Relatório da Vale prevê fim da extração em Itabira dentro de dez anos. Thais Pimentel/G1 A cidade de Itabira, na Região Central de Minas Gerais, corre contra o relógio para encontrar alternativas que diminuam o impacto do fim da exploração de minério de ferro pela mineradora Vale. De acordo com o relatório 20F, destinado ao mercado internacional e publicado pela empresa em 2017, a previsão é que as minas Conceição 1 e 2 cheguem à exaustão em dez anos. “Foi um susto. Nós tomamos conhecimento disso no mês de maio. Mas não podemos nos desesperar”, disse o prefeito Ronaldo Magalhães (PTB). Relatório 20F da Vale prevê exaustão das minas de Itabira em 10 anos. Vale/Divulgação De acordo com o prefeito, uma comissão formada por representantes do poder executivo do município, da Câmara de Vereadores e da Vale vão se reunir ainda este mês para discutir o caso. A receita dos cofres da prefeitura em 2017 foi de cerca de R$ 250 milhões. Cerca de 55% deste dinheiro vem do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestações de Serviços (ICMS) e da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM) pagos pela Vale. Duas minas e três usinas de beneficiamento funcionam em Itabira (MG). Thais Pimentel/G1 “Itabira ainda tem uma dependência muito grande da mineração. Quando esta exaustão acontecer, a prefeitura vai perder pelo menos metade da arrecadação”, disse Magalhães. A previsão de exaustão em dez anos pode mudar de acordo com avanços da tecnologia e com a demanda do mercado internacional, segundo a Vale. Mas a mineradora afirma que o recurso tem limite. “Isso vai acabar um dia? Espera-se que sim. Não é infinito. Hoje a gente trabalha com o horizonte de mina de dez anos, então nós vamos operar a jazida de Itabira por mais dez anos com a tecnologia atual, com as plantas atuais e posterior a isso a gente mantém as usinas trabalhando com a possibilidade de processar qualquer minério do quadrilátero ferrífero”, disse o gerente-executivo das minas de Itabira da Vale, Rodrigo Chaves. Cidade de Itabira cresceu com a exploração do minério de ferro. Thais Pimentel/G1 A Vale tem hoje duas minas e três usinas de beneficiamento de minério de ferro. De acordo com a mineradora, há seis anos houve um investimento de cerca de R$ 5 bilhões para readequar as estruturas ao tipo de produto explorado. Segundo o relatório 20F, hoje as reservas de Itabira apresentam altos índices de minério de itabirito, considerado mais compacto e difícil de ser trabalhado. O teor de ferro está entre 35% e 60%, mais pobre que a hematita, tipo de minério mais valorizado pelo mercado internacional e encontrado em maior quantidade nas minas da Vale em Carajás, no norte do país. Parte do minério explorado em Itabira é concentrada para atingir o teor de embarque como produto vendável e parte é enviada e misturada na Ásia com o minério de alto teor que é o do Pará. Prefeito de Itabira, Ronaldo Magalhães (PTB). Thais Pimentel/G1 Hoje, a exploração das minas de Itabira representa pouco mais de 9% da produção total da Vale. São cerca de 43 milhões de toneladas por ano. A mineradora informou que não pretende sair de Itabira, mas se prepara para mudar o seu negócio. A ideia é que as usinas sejam usadas para beneficiar o minério de todo quadrilátero ferrífero em Minas Gerais. “Essas usinas tiveram que ser adequadas. Nós as construímos com uma nova tecnologia de moagem de flotação, tanto a usina Cauê quanto a de Conceição”, disse Rodrigo. “Nós continuamos em Minas e queremos ficar em Minas”, completou. Minério de ferro era transportado em lombos de burro no início da CVRD em itabira. Vale/Divulgação A presença da mineradora em Itabira gerou um vínculo forte entre a empresa e a população. Criada em 1942 por Getúlio Vargas, a então Companhia Vale do Rio Doce, se tornou rapidamente um dos símbolos da cidade cujo nome significa “pedra que brilha” em tupi-guarani. “A Vale nasceu estatal. Até a privatização, a Vale era a representação do poder federal na cidade. A Vale construiu hospital, construiu estrada, construiu casa, construiu vila, construiu tudo. O que o governo federal não fazia, a Vale fazia. Então isso gerou na cidade um vínculo muito forte, né? A aspiração era trabalhar na Vale e aposentar pela Vale”, disse o presidente da Associação Comercial Industrial de Serviços e Agropecuária de Itabira (Acita), Eugênio Andrade Müller. Com a expectativa do fim da extração, o desafio é diversificar a economia. “A associação sempre conviveu com a ideia de que a exaustão mineral é uma realidade. Nós desenvolvemos um conjunto de metas já pensando em um futuro sem a exploração mineral”, disse Muller. Trabalhadores da Companhia Vale do Rio Doce transportavam minério em cestos de vime. Vale/Divulgação Uma das apostas é o incentivo ao agronegócio, já que 94% do território de Itabira está na zona rural. “É uma riqueza que a gente tem de uma tradição agropecuária anterior à mineração”, contou o presidente da entidade. Já há incentivo para a produção de leite, de mel, de eucalipto e de banana. “Estamos tentando mudar esta mentalidade. A população pensa assim, acabou o minério, acabou a Vale, acabou Itabira. E não é bem assim. Tem caminho”, contou ele. Porém o agronegócio ainda representa menos de 1% do Produto interno Bruto (PIB) do município. O objetivo é dobrar de 0,4 para 0,8% a representatividade do setor na economia. Mineração em Itabira (MG). Thais Pimentel/G1 Já a prefeitura ainda está pessimista porque do ponto de vista da arrecadação, o município ainda não encontrou uma saída para diminuir o impacto da possível queda da receita. “Não temos muito temor em relação ao desemprego porque a Vale vai continuar na cidade e pretende mudar seu modelo de negócio. Mas é um choque sim e é preocupante sob o ponto de vista da receita”, disse o prefeito. Carlos Drummond de Andrade, itabirano ilustre, já havia criticado a dependência da mineração por parte da cidade, principalmente a exploração da Mina do Cauê, mesmo nome dado ao pico que desapareceu após anos de extração mineiral. Ela se exauriu na década de 90 e a Vale ainda realiza trabalhos de recuperação vegetal na área. Pico do Cauê em Itabira desapareceu na exploração mineral. Vale/Divulgação Em seu poema “Montanha Pulverizada”, o poeta descreve seu sentimento quanto a exploração do pico. “Esta manhã acordo e não a encontro. Britada em bilhões de lascas deslizando em correia transportadora entupindo 150 vagões no trem-monstro de 5 locomotivas - o trem maior do mundo, tomem nota - foge minha serra, vai deixando no meu corpo e na paisagem mísero pó de ferro e este não passa”, disse ele em publicação de 1973. Para Eugênio, que é sobrinho-neto do poeta, as pessoas da cidade temem pelo futuro dela, mas também têm expectativa do que é possível conquistar. “É como Drummond diz em ‘Confidência do Itabirano’, “o hábito de sofrer, que tanto me diverte, é doce herança itabirana’”, recitou o presidente da Acita.
Veja Mais

15/08 - Imposto de Renda 2018: Receita paga 3º lote de restituições nesta quarta-feira
Ao todo, serão pagos R$ 3,6 bilhões para 2.852.737 contribuintes; lote também inclui restituições residuais de 2008 a 2017. Imposto de Renda 2018 Ilustração: Karina Almeida/G1 Receita Federal paga nesta quarta-feira (15) o terceiro lote de restituição do Imposto de Renda de Pessoas Físicas (IRPF) de 2018. O lote também inclui restituições residuais de 2008 a 2017. Ao todo, serão pagos R$ 3,6 bilhões para 2.852.737 contribuintes. A correção para quem recebe neste segundo lote do IR 2018 é de 2,58%. CONSULTE O SITE DA RECEITA As consultas podem ser feitas pelo site da Receita Federal. Há, ainda, o aplicativo para tablets e smartphones que facilita consulta às declarações do IRPF e situação cadastral no CPF, diretamente nas bases de dados da Receita Federal. Malha fina No fim do ano passado, a Receita Federal informou que 747 mil declarações estavam retidas na malha fina do IR de 2017 devido a inconsistências nas informações prestadas. Nos últimos anos, a omissão de rendimentos foi o principal motivo para cair na malha fina, seguido por inconsistências na declaração de despesas médicas. Para saber se está na malha fina, os contribuintes podem acessar o "extrato" do Imposto de Renda no site da Receita Federal no chamado e-CAC (Centro Virtual de Atendimento). Para acessar o extrato do IR é necessário utilizar o código de acesso gerado na própria página da Receita Federal, ou certificado digital emitido por autoridade habilitada. Caiu na malha fina? Veja o que fazer Após verificar quais inconsistências foram encontradas pela Receita Federal na declaração do Imposto de Renda, o contribuinte pode enviar uma declaração retificadora. Quando a situação for resolvida, o contribuinte sai da malha fina e, caso tenha direito, a restituição será incluída nos lotes residuais do Imposto de Renda.
Veja Mais

15/08 - Turquia retalia e aumenta tarifas de vários produtos dos EUA
Turquia e EUA atravessam uma crise diplomática que tem provocado uma forte desvalorização da moeda turca e preocupações nos mercados globais. Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan Umit Bektas/Reuters A Turquia anunciou nesta quarta-feira (15) um aumento das tarifas de diversos produtos importados dos Estados Unidos, uma resposta às medidas similares aplicadas pelo governo americano ao aço e ao alumínio turcos. Guerra comercial: entenda a tensão entre EUA e outras potências "As taxas de importação de determinados produtos foram aumentadas de modo recíprocos aos ataques deliberados da administração americana a nossa economia", anunciou no Twitter o vice-presidente turco Fuat Oktay. A lista de produtos inclui carros (a nova tarifa é de 120%), bebidas alcoólicas (140%), tabaco (60%), arroz, carvão e produtos cosméticos, segundo a Reuters. Um decreto assinado pelo presidente Tayyip Erdogan dobrou as tarifas turcas de carros de passageiros para 120 por cento, de bebidas alcoólicas para 140 por cento e de fumo para 60 por cento. As tarifas também foram duplicadas em bens como cosméticos, arroz e carvão. De modo geral, as novas tarifas dobram as taxas aplicadas atualmente, segundo a agência estatal Anadolu. O decreto do aumento das tarifas assinado pelo presidente turco Recep Tayyip Erdogan foi publicado no Diário Oficial do país, elevando as preocupações de uma escalada da tensão entre os dois países e de uma batalha comercial. Turquia dobra valor de tarifas sobre produtos americanos As taxas respondem à sobretaxas adotadas pelo governo dos Estados Unidos, o que contribuiu para provocar uma forte desvalorização da moeda turca e uma grande tensão entre Ancara e Washington. Na semana passada, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou que vai dobrar as taxas sobre a importação de aço e alumínio turcos, usando a taxa de câmbio entre os dois países como justificativa. Na terça-feira, o Erdogan anunciou que seu país vai "boicotar" os produtos eletrônicos americanos, como os da Apple. O presidente turco definiu a crise da lira como um "ataque econômico contra a Turquia". Tensão diplomática Depois de vários meses de tensão, as relações se complicaram ainda mais, com a detenção na Turquia do pastor americano Andrew Brunson. Os Estados Unidos impuseram sanções contra dois ministros turcos, e Ancara respondeu com medidas similares. Na sequência, o presidente americano, Donald Trump, anunciou o aumento das tarifas de importação do aço e do alumínio turcos. A lira perdeu mais de 25% de seu valor em um mês, o que aumenta ainda mais a pressão inflacionária na Turquia. Desde o início do ano, o valor da lira turca caiu 40% frente ao dólar e ao euro. Desde terça-feira, porém, a lira parece se estabilizar, após medidas do Banco Central e ao apelo de Erdogan de converter ouro e divisas estrangeiras. Entenda a crise da moeda da Turquia e os seus efeitos Em meio às virulentas declarações de Erdogan contra os Estados Unidos, a Turquia tenta preservar suas relações com outros sócios e aliados. O presidente turco, que na semana passada se reuniu com seu colega russo, Vladimir Putin, recebe nesta quarta em Ancara o emir do emirado do Catar, xeque Tamim ben Hamad al-Thani. Em outro movimento no xadrez político, na terça-feira, um tribunal turco libertou, inesperadamente, dois soldados gregos que haviam sido detidos em março na fronteira, um episódio que elevou a tensão nas relações entre Ancara e Atenas.
Veja Mais

15/08 - Preço do aluguel anunciado fica praticamente estável em julho, mostra FipeZap
Preço médio subiu apenas 0,06%; variação continuou abaixo dos principais índices de inflação. No acumulado ano, preço de locação avançou 1,99% Reprodução/TV Fronteira O preço médio dos anúncios para novos contratos de aluguel residencial seguiu praticamente estável em julho e subiu apenas 0,06%, resultado abaixo da inflação, segundo pesquisa FipeZap divulgada nesta quarta-feira (15). No mês passado, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – a inflação oficial do país – avançou 0,33%, enquanto o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) – normalmente utilizado para reajuste contratos de aluguel – subiu 0,51%. Em junho, a alta dos preços anunciados foi de 0,03%. No ano, o preço de locação residencial avançou 1,99%, também abaixo do resultado acumulado do IPCA (2,94%) e do IGP-M (5,93%). O levantamento também apurou que a variação do novo aluguel foi maior em Recife (1,79%), Curitiba (1,63%) e São Bernardo do Campo (0,57%). As principais quedas foram observadas em Fortaleza (-1,28%), Rio de Janeiro (-0,78%) e Goiânia (-0,7%). A pesquisa FipeZap apura os preços em 15 cidades e considera apenas os valores anunciados dos imóveis, não o valor final da negociação.
Veja Mais

15/08 - JBS fecha o 2º trimestre com prejuízo de R$ 826 milhões
O resultado representa uma piora em relação a igual período de 2017, quando a empresa lucrou R$ 474 milhões. A JBS fechou o segundo trimestre com prejuízo líquido de R$ 826,8 milhões, informou a companhia nesta terça-feira (14). O resultado representa uma piora em relação a igual período de 2017, quando a empresa lucrou R$ 474 milhões. Na controladora do grupo, o prejuízo do trimestre ficou em R$ 911 milhões de reais. A companhia afirma que os resultados foram impactados pelo efeito do câmbio e que, sem essa variável, registrou licro ajustado de R$ 2,9 bilhões. A receita líquida consolidada no segundo trimestre foi de R$ 45 milhões, um aumento de 8,4% em relação ao mesmo período de 2017. Entre os negócios do grupo, a norte-americana Pilgrim’s Pride foi a que teve o maior aumento de receitas na comparação entre 2017 e 2018, com R$ 2,7 bilhões - elevação de 3%. Já a unidade de carne bovina nos Estados Unidos do grupo, teve receita de R$ 5,5 bilhões, um aumento de 1,3%. O destaque negativo ficou por conta da unidade de carne suína do grupo nos Estados Unidos, que teve queda de 6,3% nos ganhos, para R$ 1,5 bilhão. No Brasil, a perda de receita foi de 6%, totalizando R$ 6,1 bilhões. Seara e greve dos caminhoneiros Já o faturamento da Seara caiu 5,4%, para R$ 4,3 bilhões. "O volume total comercializado apresentou uma redução de 10,6%, decorrente de um menor volume de exportações (-19,2%), devido principalmente à greve dos caminhoneiros, que reduziu os embarques, e também pelo fechamento do mercado russo para a carne suína brasileira", comentou a empresa em nota, referindo-se à Seara. "Apesar dos intensos esforços em toda a cadeia para minimizar os impactos operacionais, a greve dos caminhoneiros causou uma perda de R$ 112,9 milhões no resultado do trimestre, composto principalmente pelos descartes e menor produtividade do plantel de animais, bem como aumento dos custos industriais e logísticos", informou a companhia. Concorrente da empresa, a BRF também divulgou perdas com a greve dos caminhoneiros. Em nota ao mercado, o presidente da companhia, Pedro Parente, afirmou que as perdas diretas com a greve dos caminhoneiros totalizaram cerca de R$ 75 milhões. Impactada também pela Operação Trapaça, a BRF fechou o segundo trimestre com prejuízo de R$ 1,574 bilhão. Planta frigorífica da JBS em Barra do Garças TVCA/Reprodução
Veja Mais

14/08 - Lucro líquido da Eletrobras sobe para R$ 2,83 bilhões no 2º trimestre
Valor representa expressivo crescimento na comparação com os R$ 344 milhões registrados no mesmo período de 2017. A Eletrobras apresentou lucro líquido de R$ 2,83 bilhões no segundo trimestre de 2018, expressivo crescimento na comparação com os R$ 344 milhões registrados no mesmo período de 2017, com reconhecimento de montantes relativos a distribuidoras, informou a estatal em nota nesta terça-feira (14). A maior elétrica da América Latina afirmou que a receita bruta gerencial teve crescimento de 4%, para R$ 9,6 bilhões no segundo trimestre. “Como destaques positivos ressaltam-se a receita de CVA e outros componentes financeiros de R$ 3,959 bilhões, impactada pelo reconhecimento do ativo tarifário no montante de R$ 3,842 bilhões nas distribuidoras”, disse a Eletrobras em nota. A empresa ainda afirmou que colaboraram para o resultado a reversão da provisão da taxa de fiscalização de recursos hídricos (Taxa Pará) no montante de R$ 1,334 bilhão. A receita operacional líquida da Elebrobras atingiu R$ 12,288 bilhões, um aumento de 35% em relação ao mesmo período do ano anterior. Segundo a empresa, o resultado do segmento de Distribuição foi positivo no montante líquido de R$ 906 milhões, impactado pelo reconhecimento neutralidade econômica dada pela Portaria nº301, de 16/07/2018. Do lado negativo, a empresa citou provisões e despesas com o Plano de Demissão Consensual (PDC) de R$ 24 milhões no trimestre, somando R$ 296 milhões em 2018; e provisões para contingências no montante de R$ 1 bilhão. No primeiro trimestre, a empresa estatal havia reportado lucro líquido de R$ 56 milhões, impactado negativamente por provisões e perdas bilionárias no segmento de distribuição de energia. O lucro líquido no primeiro semestre de 2018 somou R$ 2,888 bilhões, ante R$ 1,722 bilhão no primeiro semestre do ano passado. Sede da Eletrobras no Rio Reuters
Veja Mais

14/08 - Greve dos caminhoneiros derruba lucro da CCR no segundo trimestre
Lucro líquido no período somou R$ 277,7 milhões, recuo de 58,4% contra um ano antes. A greve dos caminhoneiros de maio no Brasil fez o lucro da CCR encolher mais do que a metade no segundo trimestre, em meio à queda no tráfego das rodovias administradas pela empresa e aos efeitos subsequentes da isenção da cobrança de eixos suspensos. A operadora de concessões de infraestrutura, incluindo rodovias, aeroportos e estruturas de mobilidade urbana, anunciou nesta terça-feira que seu lucro líquido no período somou R$ 277,7 milhões, queda de 58,4% contra um ano antes. Em termos ajustados, sem a inclusão de novos negócios e efeitos não recorrentes, o lucro somou R$ 300,9 milhões, retração de 5,2% ano a ano. No segundo trimestre do ano passado, o resultado da empresa tinha sido fortemente fortalecido por receitas extras após a compra de participações nas concessionárias ViaQuatro e ViaRio. Mesmo com a queda de 5,5% do tráfego das rodovias de abril a junho, a receita líquida da CCR teve alta anual de 1,7%. No entanto, o resultado operacional da companhia no período medido pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado somou R$ 1,07 bilhão, declínio de 34,3% contra um ano antes. Greve provocou queda no tráfego das rodovias administradas pela empresa CCR ViaOeste/Divulgação Ajustando por efeitos extraordinários, o Ebitda cresceu 1%, para R$ 1,09 bilhão. A margem Ebitda nesta medição diminuiu 0,4 ponto percentual, para 58,3%. Segundo o gerente de relações com investidores da CCR, Marcus Macedo, só a isenção da cobrança de eixo suspenso de caminhões vazios, na virada de maio para junho, reduziu a receita da companhia em R$ 25,9 milhões no trimestre. De acordo com o executivo, a compensação desses valores está sendo negociada com governos donos das concessões das rodovias para as quais a isenção foi decidida, por isso ainda esses valores não foram contabilizados. A CCR fechou junho com uma alavancagem financeira medida pela relação entre dívida líquida sobre Ebitda de 2,7 vezes, nível superior ao índice de 1,8 vez um ano antes. Macedo disse que a CCR deve participar de pelo menos mais duas licitações ainda em 2018, um da operação da Linha 15 do metrô, em São Paulo, e outra de um rodovia no Sul do país.
Veja Mais

14/08 - Ao sancionar Lei de Diretrizes Orçamentárias, Temer recua e permite reajustar verba do MEC pela inflação
LDO serve de base para Orçamento da União. Ministro do Planejamento chegou a dizer que Temer havia vetado trecho sobre MEC. Depois, Casa Civil informou que presidente voltou atrás. O presidente Michel Temer sancionou nesta terça-feira (14) com 17 vetos a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2019, informou o Ministério do Planejamento. O texto será publicado no "Diário Oficial da União" desta quarta (15). Ao apresentar o texto sancionado, o ministro do Planejamento, Esteves Colnago, chegou a dizer que Temer havia vetado um trecho segundo o qual o orçamento do Ministério da Educação seria reajustado conforme a inflação. Mas, depois, a Casa Civil informou que o presidente voltou atrás. Portanto, manteve o texto do Congresso e, com isso, a verba do MEC será reajustada conforme a inflação. Aprovada pelo Congresso em julho, a LDO serve de base para o governo elaborar o Orçamento da União do ano que vem. O orçamento ainda será enviado para votação dos parlamentares e, em seguida, remetido para sanção de Temer. Ministro do Planejamento, Esteves Colnago (centro), apresenta texto da LDO de 2019 sancionado por Temer Laís Lis/G1 Vetos Entenda abaixo, em tópicos, os principais vetos de Temer ao texto da LDO, apresentados pelo ministro do Planejamento: Concursos: Vetou o trecho que só permitia novos concursos para as áreas de educação, saúde, segurança pública, defesa e diplomacia; Hospitais sem fins lucrativos: Vetou o artigo que permitia aplicar recursos públicos na construção e reforma de hospitais privados sem fins lucrativos (segundo o Planejamento, não há como garantir que os hospitais continuarão sendo sem fins lucrativos ou exigir percentual de atendimento a pacientes do SUS); Benefícios tributários: Vetou o artigo que fixava a data de 31 de março de 2019 para o próximo presidente apresentar o plano de redução de benefícios tributários; Regra de Ouro: Vetou o treecho que previa o envio, pelo próximo presidente da República, de uma PEC alterando a egra de Ouro; Assistência social: Vetou o artigo que determinava que o orçamento do Fundo Nacional de Assistência Social seria, pelo menos, igual ao do ano anterior mais a inflação; Hospitais universitários: Vetou o trecho segundo o qual emendas para hospitais universitários seriam consideradas para compor o gasto mínimo para saúde. Reajustes O ministro do Planejamento afirmou ainda que, pela Constituição, a LDO precisa dar autorização especifica para reajustes. Como a LDO 2019 não tem previsão de reajuste, a concessão de novos aumentos exigirá um projeto de lei alterando a LDO. "A concessão de novos aumentos precisaria ter encaminhado um projeto de lei orçamentária alterando a LDO", disse. Segundo o ministro, o projeto ainda está em estudo. Justificativas Segundo Esteves Colnago, os vetos foram pedidos porque os trechos eram inconstitucionais ou porque poderiam prejudicar o ajuste fiscal. "Os vetos são pedidos por dois motivos: inconstitucionalidade ou interesse público. No caso de interesse público, aquilo que trouxe maior enrijecimento do orçamento a gente procurou vetar e aquilo que poderia colocar em risco a recuperação fiscal", disse. Entre os trechos considerados inconstitucionais estava o que previa o envio de uma PEC pelo próximo presidente alterando a chamada Regra de Ouro. "Para não criar uma obrigação para o próximo presidente em termo de PEC, o que seria uma inconstitucionalidade. É uma inconstitucionalidade trazer para o presidente uma obrigação de envio de PEC", afirmou. A LDO também previa outras imposições para o próximo presidente, como a obrigação de enviar até o dia 31 de março um plano de redução de incentivos fiscais. Segundo Colnago, a data de 31 de março era um constrangimento para o próximo presidente e, por isso, foi vetada. O texto só manteve a obrigação de envio de proposta de revisão dos benefícios tributários ao longo de 2019.
Veja Mais

14/08 - Comissão dá aval a MP que permitiu renegociação das dívidas rurais de agricultores familiares de Norte e Nordeste
Medida provisória editada pelo governo está em vigor e será analisada pelos plenários da Câmara e do Senado. Inicialmente, relator propôs renegociação para todos os agricultores, mas voltou atrás. Deputados e senadores reunidos para discutir a MP que permitiu o refinanciamento de dívidas rurais João Cláudio Netto/TV Globo Uma comissão mista do Congresso Nacional, formada por senadores e deputados, aprovou nesta terça-feira (14) o relatório favorável à medida provisória (MP) que permitiu a renegociação de dívidas rurais de agricultores familiares das regiões Norte e Nordeste. Com a aprovação, o texto seguirá para análise dos plenários da Câmara e do Senado. Por se tratar de MP, a renegociação já está em vigor, mas precisa do aval do Congresso para virar uma lei em definitivo. Inicialmente, o relator da MP, senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), havia proposto estender o benefício a todos os agricultores familiares. Mas o governo argumentou que a medida representaria impacto de R$ 17 bilhões e, após negociações, o relator voltou atrás. Reunião A reunião da comissão mista começou duas horas de atraso. Isso porque o relator e parlamentares discutiram mudanças no texto. O texto original da MP previa a renegociação apenas a agricultores familiares do Norte e Nordeste, cujo impacto é de R$ 1,6 bilhão. Mas, na semana passada, Fernando Bezerra Coelho apresentou um relatório sobre a MP com mudanças em relação ao texto inicial e permitiu o refinanciamento geral das dívidas rurais, o que, segundo o governo, causaria impacto de R$ 17 bilhões para as contas públicas. Fernando Bezerra Coelho queria estender para todos os produtores familiares o direito de refinanciamento das dívidas até 2015. Novo parecer Nesta terça-feira, ao apresentar um novo parecer, Fernando Bezerra manteve o refinanciamento para agricultores familiares em todo o país, mas limitou a renegociação para dívidas até 2011, como na MP enviada pelo governo. O relator também propôs um desconto menor para dívidas das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, de até 60%, ao contrário do desconto máximo de 95% que vão ser aplicados no caso dos produtores do Norte e Nordeste. O relator da MP disse que os estudos iniciais apontam que o custo total da MP passará a ser de R$ 2 bilhões (não R$ 17 bilhões). Ainda assim, ele disse que o governo não assumiu o compromisso de aceitar todas as mudanças feitas na medida provisória pela comissão do Congresso. As mudanças feitas pelo Congresso na medida precisam ser confirmadas pelo presidente Michel Temer.
Veja Mais

14/08 - Conselho da Tesla cria comitê para avaliar saída da bolsa
Proposta foi feita pelo presidente da montadora, Elon Musk, que negocia com fundo saudita um financiamento para a operação. Fábrica da Tesla na Califórnia, EUA Noah Berger/Reuters O conselho da Tesla nomeou nesta terça-feira (14) um comitê especial de 3 diretores para negociar com o presidente-executivo Elon Musk a saída da fabricante carros elétricos da bolsa. O comitê será encarregado de avaliar a proposta de Musk, caso ela se concretize. O bilionário do Vale do Silício afirmou na semana passada, no Twitter, que quer fechar o capital da Tesla a US$ 420 dólares por ação, e que o financiamento foi "garantido". Os tuítes de Musk desencadearam ações judiciais de investidores e uma investigação pela Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC, na sigla em inglês) sobre a precisão de sua declaração. Na última segunda (13), Musk deu mais detalhes de como um acordo poderia funcionar. Ele disse que manteve conversas com o fundo soberano da Arábia Saudita para financiar a saída da bolsa. Mas as ações terminaram o dia em baixa, indicando ceticismo dos investidores. Missão Em um comunicado nesta terça, a empresa disse que o comitê especial tem autoridade para tomar qualquer medida em nome do conselho para avaliar e negociar uma transação potencial e alternativas para qualquer transação proposta por Musk. O anúncio significa que 3 membros da diretoria da Tesla agora vão avaliar se é aconselhável --ou mesmo viável-- buscar o que poderia ser a maior compra alavancada, e eles estão fazendo isso antes de receber uma proposta formal do presidente-executivo. "O comitê especial ainda não recebeu uma proposta formal do senhor Musk em relação a qualquer Transação Privada Indireta", disse a montadora em documento público aos reguladores da SEC, o primeiro feito desde os tuítes do presidente-executivo na semana passada.
Veja Mais

14/08 - Presidente diz que Turquia 'boicotará' produtos eletrônicos dos Estados Unidos
A medida é apresentada como uma retaliação ao governo de Donald Trump, que anunciou uma sobretaxa no aço e alumínio da Turquia. O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, anunciou nesta terça-feira (14) que seu país vai "boicotar" os produtos eletrônicos americanos, em um momento de grande tensão nas relações entre Ancara e Washington. A medida é apresentada como uma retaliação ao governo de Donald Trump, que anunciou uma sobretaxa no aço e alumínio da Turquia. "Vamos aplicar um boicote contra os produtos eletrônicos americanos", afirmou Erdogan em um discurso na televisão. "Se (Estados Unidos) têm iPhones, há Samsung do outro lado", declarou, em uma referência à marca americana Apple e à rival sul-coreana. "Nós temos os nossos Venus e Vestel", completou, em referência a marcas eletrônicas turcas. Presidente turco, Tayyip Erdogan, faz discurso em encontro do seu partido em Ancara, na Turquia, neste sábado (4) Murat Kula/Presidential Palace/ Reuters Os produtos da Apple são muito usados na Turquia, inclusive por Erdogan, que costuma ser fotografado com um iPhone, ou com um iPad na mão. Durante a tentativa de golpe de Estado de 15 a 16 de julho de 2016, Erdogan pediu a seus seguidores que fossem às ruas, recorrendo ao aplicativo FaceTime, desenvolvido pela Apple. As declarações do presidente turco surgem no momento em que Ancara e Washington, dois aliados na Otan, atravessam uma crise diplomática. As preocupações sobre as relações comerciais entre a Turquia e os Estados Unidos ajudou a puxar a recente desvalorização da lira turca. Depois de vários meses de tensão, as relações se complicaram ainda mais, com a detenção na Turquia do pastor americano Andrew Brunson. Entenda a crise da moeda da Turquia e os efeitos para emergentes e o Brasil Como a prisão de um pastor evangélico americano ajudou a derreter a lira turca Os Estados Unidos impuseram sanções contra dois ministros turcos, e Ancara respondeu com medidas similares. Na sequência, o presidente americano, Donald Trump, anunciou o aumento das tarifas de importação do aço e do alumínio turcos. A moeda parecia, porém, começar a se recuperar nesta terça, um dia depois de o Banco Central turco anunciar uma série de medidas. Pelo colapso, Erdogan responsabilizou um "complô político", promovido, segundo ele, pelos Estados Unidos. A Turquia "é alvo de uma agressão econômica", insistiu o presidente nesta terça. "Não hesitam em usar a economia como uma arma", declarou ele, garantindo que a economia turca funciona "como um relógio, graças a Deus". Caos Os confrontos entre Turquia e EUA foram-se agravando nos últimos meses até virarem uma tempestade em julho, devido à detenção do pastor americano Andrew Brunson. O governo turco o acusa de espionagem e de atividades "terroristas", o que o pastor nega categoricamente. Depois de um ano e meio de prisão, ele foi posto sob detenção domiciliar vigiada em julho. O encarregado de negócios americano na Turquia, Jeffrey Hovenier, visitou hoje o pastor Brunson e pediu sua libertação "sem demora". A despeito das tensões, Turquia e EUA mantêm seus contatos. Na segunda-feira, o embaixador da Turquia em Washington se reuniu com o conselheiro de Segurança Nacional de Donald Trump, John Bolton. "Ele lhe transmitiu a seguinte mensagem: as pressões e as ameaças causarão apenas caos nas relações com a Turquia", declarou o ministro turco das Relações Exteriores, Mevlüt Cavusoglu. Essa escalada das tensões é um dos principais fatores que provocaram o desabamento da lira nos últimos dias. A moeda turca perdeu mais de 40% de seu valor desde o início do ano. Diante desse cenário, as autoridades turcas se esforçam para apaziguar os mercados. Na segunda-feira, o Banco Central turco anunciou a facilitação de liquidez para os bancos e prometeu tomar as "medidas necessárias" para garantir a estabilidade. O ministro das Finanças Berat Albayrak, genro de Erdogan, disse hoje que Ancara continuará a "proteger a lira" e denunciou um "ataque" à moeda nacional. Na quinta-feira, Albayrak deve participar de uma teleconferência com centenas de investidores estrangeiros, informou a rede NTV.
Veja Mais

14/08 - Infraero prepara venda de metade do capital por cerca de R$ 14 bilhões, diz presidente
No entanto, o executivo afirmou que o projeto só deve ser apresentado ao próximo presidente da República, a ser eleito em outubro. O presidente da estatal federal de serviços aeroportuários Infraero, Antônio Claret de Oliveira, disse nesta terça-feira (14) que a empresa está com planos prontos para vender 49% do capital por meio de uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) ou a venda para um sócio estratégico. "O projeto está praticamente pronto", disse Oliveira durante evento do setor de infraestrutura. No entanto, o executivo afirmou que o projeto só deve ser apresentado ao próximo presidente da República, a ser eleito em outubro. Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, em Manaus Divulgação/Infraero Segundo ele, a venda de 49% do capital da companhia por IPO ou venda a um sócio estratégico deve render cerca de R$ 14 bilhões. Como parte dos esforços para tornar a empresa, outrora monopolista do setor aeroportuário brasileiro, Oliveira revelou planos para enxugar ainda mais o quadro de funcionários e elevar receitas. De uma folha de pagamento com mais de 12 mil empregados no fim de 2015, o montante caiu para os atuais 8,1 mil. E a meta é reduzir a folha para cerca de 6 mil antes de o plano de atração de investidores ir adiante. Esse corte se dará sobretudo, disse o executivo mais tarde à Reuters, com a transferência de cerca de 1,8 mil funcionários do setor de navegação aérea para a Aeronáutica. Simultaneamente, a Infraero tem buscado fontes adicionais de receitas, incluindo a ocupação de espaços vagos em grandes aeroportos do país para uso comercial, além de aumentar a capacidade de alguns terminais para receber mais público. Como exemplo, Oliveira citou a expansão da pista do aeroporto de Foz do Iguaçu (PR), que qualificará o terminal para receber voos diretos da Europa e dos Estados Unidos. Depois de anos no vermelho, a Infraero teve lucro operacional de R$ 505,4 milhões no ano passado. Para 2018, a empresa espera lucrar R$ 472 milhões, mesmo com a saída de quatro grandes aeroportos da rede: Florianópolis, Porto Alegre, Salvador e Fortaleza.
Veja Mais

14/08 - Fundadores do Tinder processam controladora IAC por suposta subavaliação da empresa
A IAC possui mais de 80% da Match, proprietária do Tinder. Um grupo de fundadores, executivos e funcionários antigos do popular aplicativo de namoro Tinder entrou com processo na terça-feira (14) contra a IAC/InterActiveCorp, alegando que a controladora deliberadamente subavaliou o Tinder para não ter que pagar a eles bilhões de dólares. Assinatura do Tinder Gold permite que você veja quem te curtiu no app Divulgação O processo aberto na Suprema Corte estadual em Manhattan afirmou que a IAC e sua subsidiária Match Group deliberadamente impediram que os autores da ação judcial exercessem opções de ações e as vendessem para a IAC. Eles buscam indenizações de pelo menos US$ 2 bilhões. A IAC não respondeu imediatamente a um pedido de comentário. Os autores da ação incluem os fundadores do Tinder Sean Rad, Justin Mateen e Jonathan Badeen, além de vários executivos e funcionários. A IAC possui mais de 80% da Match, proprietária do Tinder.
Veja Mais

14/08 - Prefeitura de Água Boa (MT) abre processo seletivo com 9 vagas
Segundo a prefeitura, o salário é de R$ 1.305,78 para os dois cargos. Inscrições podem ser feitas entre os dias 30 de agosto e 14 de setembro Freepik A Prefeitura de Água Boa, a 736 km de Cuiabá, abriu um processo seletivo com 9 vagas para agentes de saúde e agentes de endemia. De acordo com o edital, as inscrições podem ser feitas entre os dias 30 de agosto e 14 de setembro. As inscrições são gratuitas. O edital pode ser conferido no site da prefeitura. Segundo a prefeitura, o salário é de R$ 1.305,78 para os dois cargos. Os interessados podem se inscrever na Secretaria Municipal de Saúde de Agua Boa em horário comercial. Os candidatos serão avaliados por meio de prova no dia 23 de setembro na Escola Municipal Guarujá, em Água Boa. Veja mais informações sobre a região no G1 MT.
Veja Mais

14/08 - Trabalhador com deficiência poderá usar FGTS para comprar próteses e órteses
Possibilidade estava prevista em lei de 2015, mas só foi regulamentada em abril de 2018; regra será publicada nesta quarta. Saldo só poderá ser usado para compras para o próprio trabalhador. A partir desta quarta-feira (15), trabalhadores com deficiência poderão usar saldo do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para comprar órteses e próteses. As regras para o uso do fundo por pessoas com deficiência serão publicadas no “Diário Oficial da União” desta quarta-feira (15). A possibilidade de uso de recursos do FGTS para comprar próteses e órteses estava prevista em uma lei de 2015, mas que só foi regulamentada em abril de 2018. Com a regulamentação, a Caixa Econômica Federal publicará as regras e o uso de recursos do fundo será liberado. As próteses são aparelhos destinados a substituir um órgão ou membro, como uma prótese de perna. Já as órteses são aparelhos destinados a corrigir uma alteração, como por exemplo, óculos. O recurso só poderá ser usado para comprar próteses e órteses para o próprio trabalhador, que deve comprovar que a deficiência é de longo prazo, ou seja, que exista há pelo menos dois anos ou seja definitiva. Exigências O trabalhador só poderá sacar os recursos com um laudo médico que ateste a deficiência, a espécie e o nível da deficiência. O laudo também deve ter a prescrição da órtese e da prótese que será comprada com o saldo do FGTS. O modelo do laudo deve ser emitido na página da Caixa. Com o laudo, o trabalhador deve ir a uma agencia da Caixa, com documento de identificação e comprovante de vínculo empregatício. O saldo para compra de próteses e órteses só poderá ser usado a cada dois anos, com isso, caso o trabalhador compre uma prótese com o dinheiro do fundo ele terá que esperar dois anos para comprar uma nova prótese com recursos do FGTS. Valores A Caixa usará como padrão de valores a serem liberados a tabela usada pelo SUS. “Não existe limite de valor para o saque. O limite é o limite da conta (do FGTS) e limitado ao valor da prótese ou órtese, de acordo com a tabela do SUS”, afirmou Valter Gonçalves Nunes, vice-presidente de Fundos de Governo da Caixa.
Veja Mais

14/08 - FGTS vai distribuir lucro de R$ 6,23 bilhões a trabalhadores em agosto
Fundo teve R$ 12,46 bilhões de lucro em 2017. Por lei, metade do valor deve ser dividido entre todos os trabalhadores. Secretário-executivo do Conselho Curador do FGTS fala sobre rendimento do fundo O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) vai distribuir R$ 6,23 bilhões em lucro a 90,7 milhões de trabalhadores, que têm 258 milhões de contas ativas. O lucro que será dividido refere-se ao ano de 2017. O depósito ocorrerá até o dia 31 de agosto. Em média, o lucro representará R$ 38 por conta, mas o valor depende do saldo existente na conta do FGTS. O rendimento será de 1,72% em cima do saldo existente no dia 31 de dezembro de 2017. Assim, o trabalhador receberá R$ 17,2 para cada R$ 1 mil de saldo do FGTS. Segundo informações do Conselho Curador do FGTS, em 2017 o FGTS teve R$ 12,46 bilhões de lucro. Por lei, metade do valor desse lucro deve ser dividido entre todos os trabalhadores. No ano passado, o FGTS distribuiu R$ 7,2 bilhões em lucro. Regras A distribuição do lucro do FGTS está prevista na mesma lei que liberou os saques das contas inativas em 2017. O percentual de distribuição de resultados do FGTS é de 50% do lucro líquido do exercício anterior. A lei estabelece que os valores creditados nas contas dos trabalhadores sejam proporcionais ao saldo da conta no dia 31 de dezembro do ano anterior. Quem sacou os recursos da conta do FGTS antes do dia 31 de dezembro de 2017 não terá direito ao lucro de 2017, nem mesmo proporcional ao tempo em que a conta ficou ativa e com saldo positivo. Já quem sacou o saldo do FGTS em 2018 tem direito a divisão dos lucros de 2017 e poderá, inclusive, sacar o valor. O trabalhador poderá consultar o valor do lucro que foi depositado a partir do dia 31 de agosto, no site da Caixa. Rendimento Com a distribuição de metade do lucro do FGTS, o rendimento das contas em 2017 será de 5,59%. Isso porque além da divisão do lucro, ao longo do ano passado as contas receberam a remuneração normal. O secretário-executivo do Conselho Curador do FGTS, Bolivar Tarragó Moura Neto, afirmou que pelo segundo ano consecutivo a distribuição do lucro do FGTS permitiu que as contas do FGTS rendessem acima da inflação. “É a segunda vez que o fundo distribuiu metade do seu resultado e pelo segundo ano consecutivo que, em função da distribuição dos resultados, as contas do FGTS rendem acima da inflação”, afirmou.
Veja Mais

14/08 - Em crise sem precedentes, Venezuela anuncia fim da gasolina mais barata do mundo
Analistas dizem que a medida é um meio de o governo aumentar arrecadação em meio à crise; Maduro argumenta que quer coibir a ação de contrabandistas, que aproveitam o litro mais barato para revender o combustível com lucros altos em países vizinhos. O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, anunciou na segunda-feira que os preços da gasolina devem subir, para coibir a atuação de contrabandistas que, segundo ele, fraudam o país em bilhões de dólares. Até então, o combustível venezuelano era o mais barato do mundo, resultado de uma pesada política de subsídios. Para analistas, a medida é, principalmente, uma investida para aumentar as receitas públicas em meio a uma crise econômica sem precedentes que tem atingido duramente as finanças do governo e a população. Em seu anúncio, Maduro disse, porém, que "a gasolina deve ser vendida a preços internacionais para impedir o contrabando para a Colômbia e o Caribe". E argumentou, ainda, que nem todos os venezuelanos serão atingidos. Maduro anunciou o reajuste da gasolina na segunda, um tema quase tabu na política venezuelana EPA Quem vai pagar mais caro? De acordo com o presidente, "apenas os que não atenderem ao chamado do governo" para registrar seus veículos terão que pagar combustível a preços internacionais. Todos os que possuem o chamado "carnê da pátria", uma espécie de documento de identidade emitida pelo governo desde 2017, continuarão, segundo ele, a receber "subsídios diretos" por "cerca de dois anos". O governo tem convocado os cidadãos para registrarem seus veículos mostrando esse documento. Muitos venezuelanos que se opõem ao governo, no entanto, se recusaram a receber esse "carnê", alegando que o meio é usado ​​por autoridades para vigiá-los. A expectativa, portanto, é que o aumento de preços atinja principalmente os opositores de Maduro. Qual é o preço da gasolina na Venezuela hoje? A economia da Venezuela enfrenta grave crise, com o Fundo Monetário Internacional (FMI) prevendo que as taxas de inflação alcançarão um milhão por cento neste ano. Apesar disso, o preço do combustível quase não mudou. O preço de um litro de gasolina na Venezuela atualmente é de 1 bolivar. No mercado negro, os venezuelanos pagam mais de 4 milhões de bolívares por um dólar americano. Isso significa que, com o equivalente a um dólar, os venezuelanos podem encher o tanque de um carro de tamanho médio cerca de 720 vezes. A gasolina de maior octanagem - ou seja, de maior resistência à pressão que sofre dentro da câmara de combustão do motor - custa, na Venezuela, 6 bolívares por litro, o equivalente, de acordo com a taxa de câmbio no mercado paralelo, à quantia ínfima de US$ 0,000001. Como vai funcionar o novo sistema? Maduro disse que anunciaria nos próximos dias mais detalhes sobre como o novo sistema de subsídios à gasolina vai funcionar. Espera-se que ele entre em vigor no dia 20 de agosto. "Vamos fazer um sistema de subsídio direto progressivo, um plano de dois anos (...)", afirmou ele no discurso transmitido ao país a partir do Palácio de Miraflores, a sede da presidência, ao anunciar as novas regras. "Eu aspiro que, ao longo desse período, no máximo, tenhamos resolvido a deformidade que se criou no transcurso de muitos anos, quando a gasolina venezuelana era praticamente de graça", acrescentou. Que efeitos são esperados sobre o contrabando? O combustível subsidiado da Venezuela é levado para países como a Colômbia em recipientes como esses e vendido mais caro aos motoristas Getty Images O contrabando do combustível subsidiado da Venezuela para os países vizinhos, onde os preços são muito mais altos, é um grande negócio. A Venezuela perde US$ 18 bilhões para abastecer o contrabando anualmente, segundo dados do governo. E o presidente Maduro afirma que a adaptação dos preços dos combustíveis venezuelanos aos níveis internacionais acabará com a prática. O governo considera improvável que contrabandistas que possuem o "carnê da pátria" ou que se candidatem para obter um deles ainda consigam comprar combustível a preços mínimos e vendê-lo com um lucro enorme na Colômbia e em outros países. Embora não tenham sido anunciados limites para a quantidade de gasolina que cada pessoa pode comprar usando o carnê, alguns políticos da oposição temem que a medida seja usada, na verdade, como forma de introduzir um racionamento do combustível no país. O que é o 'carnê da pátria' e por que ele é criticado? Nicolas Maduro lançou o novo cartão de identidade venezuelano em janeiro de 2017 argumentando que ele serviria para tornar os programas sociais de seu governo mais eficazes. A nova identidade - que é um cartão com um código QR que identifica os cidadãos que recebem algum tipo de ajuda social do governo - pode ser obtida de forma gratuita e voluntária por qualquer pessoa com mais de 15 anos, mas quem se candidata precisa responder a uma série de perguntas sobre seu status socioeconômico e quais benefícios está recebendo, se for o caso. De acordo com dados do governo, até janeiro de 2018, 16,5 milhões de venezuelanos, de um total de 31,5 milhões de cidadãos, haviam solicitado o cartão. Somente quem o possui pode se inscrever para receber pacotes de alimentos subsidiados e outros benefícios do Estado. Críticos do governo se opuseram, desde o início, à introdução desse meio de identificação. Eles argumentam que ele é desnecessário, uma vez que os venezuelanos já possuíam carteiras de identidade emitidas pelo governo, e o avaliam como uma maneira de limitar a entrega de benefícios do Estado aos apoiadores de Maduro. Outro temor que apontam é o de que o governo use a identificação para coletar informações sobre os cidadãos. Por que o aumento dos preços dos combustíveis são tão controversos? Os venezuelanos são muito dependentes dos carros. Não é incomum as famílias terem vários veículos e dirigirem longas distâncias para o trabalho. O transporte público, por sua vez, é deficiente e piorou nos últimos anos. Com falta de manutenção, os ônibus hoje não conseguem atender toda a parcela da população que precisa deles. Os venezuelanos se queixam de ter que fazer fila para entrar em caminhões usados ​​anteriormente para transportar gado. Muitos passam horas se deslocando para ir e voltar do trabalho. Um aumento no preço do combustível não afetaria apenas aqueles que dirigem seus próprios carros, já que as empresas que operam rotas de ônibus provavelmente repassariam o aumento para os passageiros. Os reajustes têm sido pouco frequentes desde 1989, quando um aumento aplicado - em meio a outras medidas de austeridade - provocou grandes protestos em Caracas e nos arredores. O presidente da época enviou tropas às ruas para acabar com as manifestações, e centenas de pessoas foram mortas. O incidente, conhecido como "Caracazo", assombra os venezuelanos desde então. O petróleo tem a ver com a crise econômica da Venezuela? A Venezuela é rica em petróleo. Possui as maiores reservas de petróleo comprovadas do mundo. Mas é exatamente essa riqueza que também está na raiz de muitos dos seus problemas econômicos. As receitas de petróleo da Venezuela respondem por cerca de 95% de seus ganhos com exportações. Isso significa que, quando os preços do petróleo estavam altos, muito dinheiro estava sendo despejado nos cofres do governo venezuelano. Quando o presidente Hugo Chávez esteve no poder, de fevereiro de 1999 até sua morte, em março de 2013, ele usou parte desses recursos para financiar programas sociais generosos para reduzir a desigualdade e a pobreza. Mas, quando os preços do petróleo caíram drasticamente em 2014, o governo se deparou com um rombo em suas finanças, de uma hora para outra, e teve que cortar alguns de seus programas mais populares. De olho na recuperação O novo sistema de subsídios à gasolina no país faz parte do chamado Programa de Recuperação Econômica, Crescimento e Prosperidade da Venezuela, com o qual Maduro disse que o país derrotará a "guerra econômica que vem sofrendo nos últimos anos" - em referência à grave crise que o país enfrenta e ao processo de aumento descontrolado de preços que deixou o Estado em uma situação econômica precária e atingiu duramente a população. O plano inclui medidas como a entrada em vigor de uma nova moeda e um novo cone monetário (conjunto de notas e moedas) a partir de 20 de agosto, com a qual Maduro espera alcançar "estabilidade" de preços em uma economia mergulhada numa hiperinflação única no mundo. O analista venezuelano Luis Vicente Leon avaliou a medida como "previsível". "Na verdade, é um aumento geral no preço da gasolina (na realidade, necessário) com um discurso de subsídio focado naqueles que têm duas coisas raras: o carnê da pátria e um carro. É populismo discriminatório", escreveu ele no Twitter. Para Leon, o objetivo da medida anunciada por Maduro é principalmente aumentar as receitas do Estado, e a questão de manter os subsídios através do carnê da pátria é "um discurso para reduzir o custo político da medida". "Mas sua penetração será claramente minoritária", acrescentou. https://twitter.com/luisvicenteleon/status/1029176642772582400 Não por acaso, a questão do preço da gasolina vinha recebendo um tratamento politicamente delicado, pela memória do "Caracazo", a onda de protestos contra o alto custo de vida duramente reprimida em 1989 e que teve como um dos seus gatilhos justamente o aumento do preço da gasolina. O país sulamericano é, de acordo com o observatório Global Petrol Prices, onde se vende a gasolina mais barato do mundo. Asdrubal Oliveros, da assessoria econômico Econalítica, estima em cerca de US$ 5,5 bilhões o custo anual da política de subsídio universal e total viagente até agora na Venezuela.
Veja Mais

14/08 - Casa do Trabalhador de Santa Bárbara d'Oeste tem 25 oportunidades de emprego
Vagas são para todos os níveis de ensino e há também algumas para estagiários. Casa do Trabalhador de Santa Bárbara d'Oeste tem 25 vagas disponíveis Comunicação/Santa Bárbara d'Oeste A Casa do Trabalhador de Santa Bárbara d'Oeste (SP) está com 25 oportunidades de emprego disponíveis nesta terça-feira (14). As vagas são destinadas desde alfabetizados até a pessoas com ensino superior e compreendem oportunidades para posições efetivas e estágio. Os interessados devem levar RG, CPF e Carteira de Trabalho na Casa do Trabalhador, de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 16h30. Ela está localizada no Desenvolve Santa Bárbara, no VIC Center, na Avenida Santa Bárbara. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (19) 3499-1015. Confira a relação completa de vagas: Assistente financeiro Técnico de manutenção predial Mecânico de manutenção Operador de oxicorte Técnico de celular Técnico têxtil Técnico eletrônico Assistente de serviços administrativos (PCD) Conferente Torneiro mecânico Estagiário (a) de engenharia Estagiário (a) de administração Vendedora Operador e programador de mandrilhador cnc Farmacêutico (a) Caldeireiro Encarregado pintura pó Mecânico diesel sênior Motorista rodoviário carreteiro Operador de CNC Farmacêutico (a) Operador de extrusora de rafia Chaveiro Analista contábil Operador (a) de loja (PCD) Os detalhes de cada vaga podem ser consultados no site da Casa do Trabalhador. Veja mais notícias da região no G1 Piracicaba
Veja Mais